close
    search Buscar

    Chore, coração, mas nunca parta

    Quem sou
    Robert Maurer
    @robertmaurer
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    “A cada dia nos levantamos um pouco diferentes, a pessoa que éramos ontem está morta”, disse o escritor americano John Updike. "Por que ter medo da morte se ela nos visita continuamente?" O presidente Charles de Gaulle também tentou minimizar a morte, afirmando: “O que pensamos sobre a morte importa apenas pelo que a morte nos faz pensar sobre a vida.” Mas, apesar dessas belas palavras, a morte continua a nos aterrorizar. Não só nosso, mas também e sobretudo de nossos entes queridos. Tememos a perspectiva de perder as pessoas que amamos. E se um adulto não consegue lidar bem com a ideia da morte de um ente querido, como uma criança pode lidar com essa perda? "Chore, coração, mas nunca quebre", é uma verdadeira joia que ajudará as crianças a compreender a morte. É do escritor dinamarquês Glenn Ringtved, especialista em contos infantis, e contém alguns desenhos magníficos de Charlotte Pardi. Quem conhece este escritor sabe que ele é famoso por suas histórias distorcidas, mas este conto é muito especial porque vem de sua experiência pessoal. Na verdade, é a tentativa do escritor de explicar a seus filhos a morte inevitável e iminente de sua avó por câncer inoperável. A escritora lembra que a certa altura a idosa disse aos filhos que o coração chora mas nunca se parte, esta foi a forma que escolheu para garantir que após a profunda tristeza da perda a vida continuaria.

    Uma visita inesperada

    A história começa em uma pequena e aconchegante casa, onde moram quatro crianças com a avó. Um dia eles recebem uma visita inesperada, é a Morte batendo em sua porta. Mas não querendo assustar as crianças, ele soltou sua foice. E esse gesto inesperado de um personagem que costumamos considerar macabro revela de repente uma ternura inesperada.Quando a Morte entra, ele se senta à mesa da cozinha. Todos sabem quem ele é e também sabem que não podem fazer nada. Apenas a mais nova das crianças, Leah, se atreve a olhá-la diretamente nos olhos.Sem dúvida, o que torna este livro particularmente comovente são as imagens, que mostram uma Morte desanimada, como se fosse difícil e doloroso cumprir a sua tarefa. Assim, aos poucos, o escritor se esforça para nos fazer mudar a imagem da perda. Dessa forma, ele também tenta fazer com que as crianças vejam esse "convidado" com mais naturalidade.“No silêncio, as crianças ouviam a respiração da avó, os mesmos suspiros da pessoa que estava ao lado delas à mesa. Eles sabiam que a morte tinha vindo para ela e não havia muito tempo. ”Para impedir o inevitável, as crianças bolam um plano. Como eles acham que a morte só funciona à noite, eles decidem reabastecer continuamente sua xícara de café até o amanhecer, momento em que, eles pensam, ele deveria ter partido sem sua avó. Nesse ponto, o escritor realiza outro milagre e revela o lado humano e até normal da Morte e de alguma forma nos sugere que, em certo sentido, também é um hino à vida. Seu objetivo, mais uma vez, é minimizar o momento e transmitir às crianças a ideia de que é um processo natural.Mas a morte finalmente cobre a xícara com sua mão ossuda para indicar que chegou a hora. Então Leah pega a mão dela e implora para ela não levar embora sua amada avó. "Por que a vovó tem que morrer?" ele pergunta.É então quando o rosto mais compreensivo da Morte é revelado que ele decide responder a Leah contando-lhe uma história, esperando que ela entenda porque sua missão é natural e necessária.Ele conta a ele sobre dois irmãos chamados Pain e Pain, que viviam em um vale escuro e seus dias passavam "lenta e pesadamente" porque eles nunca tiveram a coragem de olhar além das sombras no topo das colinas.No entanto, além dessas sombras, explica a morte, viviam duas irmãs que eram chamadas de Alegria e Prazer. Ambos viviam felizes, mas sentiam que algo estava faltando e não podiam desfrutar plenamente de sua felicidade.De repente, Leah imagina o fim da história: os dois meninos conheceram as duas meninas e se apaixonaram. Assim se formaram dois casais perfeitamente equilibrados: Dor e Alegria, Dor e Prazer.A morte explica que ela faz o mesmo com a vida. Como seria a vida se não houvesse morte? Quem aproveitaria o sol se nunca chovesse? Quem esperaria ansiosamente pela luz do dia se não houvesse noite? Quando a morte finalmente se levanta da mesa, o filho mais novo tenta impedi-la, mas seu irmão mais velho o desencoraja. Alguns minutos depois, as crianças no andar de cima ouvem o som de uma janela aberta e uma voz que sussurra: "Voe alma, voe, voe para longe".Eles sobem as escadas e descobrem que sua avó está morta. Nas ilustrações é percebido como um momento de grande tristeza, mas também de grande tranquilidade. Uma leve brisa entra pelas janelas e move as cortinas. Então a Morte diz: “Chore, coração, mas nunca parta. Deixe que as lágrimas e a dor o ajudem a começar uma nova vida ”. Então ele desaparece.Agora, toda vez que as crianças abrem uma janela, elas pensam na avó. E quando a brisa acaricia seu rosto, eles quase podem sentir o toque. Porque a morte não nos priva de nossos entes queridos, mas os eterniza em nossa memória.

    Preso da: Brain Pickings





    • 20 Obtenha crescimento pessoal
    Adicione um comentário a partir de Chore, coração, mas nunca parta
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.