close
    search Buscar

    Crise econômica: para viver ou sobreviver?

    Quem sou
    Robert Maurer
    @robertmaurer
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    Há alguns anos a mídia nos bombardeia, falando incessantemente sobre a crise econômica que não dá sinais de nos abandonar. Embora não fosse necessário, porque convivemos com isso todos os dias, como aqueles visitantes incômodos que se instalaram em nossa casa e não têm intenção de ir embora.

    Como resultado, muitas pessoas pararam de viver e estão apenas sobrevivendo. O que eu quero dizer? Não me refiro apenas à pobreza econômica, mas também à pobreza espiritual, ao desespero, à falta de objetivos e à esperança de um futuro melhor.



    Mas como tudo está na "vinha do Senhor", encontramos aqueles que caem na mais profunda depressão e aqueles que parecem ter deixado a vida em estado de espera, confiando que a crise passará logo e tudo voltará a ser como estava. era antes. De uma forma ou de outra, todos pararam de viver apenas para sobreviver.

    O engraçado é que essa mudança de atitude é determinada não só pelas vicissitudes da vida (por exemplo, a perda do trabalho ou da casa), mas, em certo sentido, também é apoiada pela televisão e por diversos meios de comunicação: jornais, rádio, Internet. Tudo indica que em tempos de crise é normal nos sentirmos desesperados, tristes e tentarmos sobreviver da melhor maneira possível.

    De um certo ponto de vista, é normal e compreensível que a perda ou redução do estilo de vida a que estamos acostumados possa causar tristeza. Mas a verdade é que devemos fazer uma distinção entre economia e saúde, entre dinheiro e felicidade, entre bem-estar econômico e bem-estar psicológico.

    Existem milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza, aquela estabelecida pelos países ocidentais, mas elas não sobrevivem apenas. Na verdade, alguns estudos dos últimos anos mostram que os níveis de felicidade são mais elevados nesses países do que nas grandes nações industrializadas do Ocidente.



    O que quero dizer é que é difícil reduzir drasticamente o padrão de vida a que nos acostumamos, mas assumir uma atitude derrotista e se deixar cair nas garras da depressão não resolve nada, pelo contrário, tira mais bem- ser e qualidade de vida do que tirar a falta de dinheiro.

    Além disso, devemos sempre lembrar que o crise econômica sempre contém dois significados: um negativo e outro positivo. Neste momento, muitos negócios e negócios estão fechando, mas novos negócios e oportunidades estão se abrindo que são mais adequados às condições mundiais atuais.

    Agora é a melhor hora para lembrar esta história antiga:

    “Um velho mestre decidiu que à tarde visitará um dos lugares mais pobres da província com seu discípulo. Depois de caminhar por um longo tempo, eles se deparam com um barraco semi-destruído. No entanto, o mais surpreendente é que naquela cabana de apenas seis metros quadrados morem oito pessoas: pai, mãe, quatro filhos e dois velhos. 

    Os olhares tristes e as cabeças baixas não deixaram dúvidas de que a pobreza e a miséria não só se apoderaram de seus corpos, mas também encontraram espaço dentro deles. Curiosamente, em meio a toda essa miséria e privação total, a família havia conservado apenas uma propriedade extraordinária, uma vaca que fornecia leite para toda a família. Essa vaca era o único bem material que possuíam e a única coisa que os separava da pobreza absoluta. 

    No dia seguinte, bem cedo pela manhã e com o cuidado de não acordar ninguém, os dois viajantes prepararam-se para prosseguir viagem. Saíram da cabana, mas antes de partir o velho mestre, diante dos olhos incrédulos do jovem e sem que ele pudesse fazer nada, tira uma adaga de sua bolsa e com um golpe decisivo mata a vaca que estava amarrada. a porta da casa. 



    - O que você fez mestre? Como você pode ter matado essa pobre vaca que era sua única fonte de sobrevivência? 

    Destemido e alheio às preocupações de seu jovem discípulo e ignorando sua pergunta, o velho retomou sua marcha em um ritmo acelerado. Assim, deixando para trás aquela cena macabra, o mestre e discípulo foram embora. 

    Conta a história que, alguns anos depois, os dois homens decidiram voltar àquele lugar para ver o que havia acontecido com a família. Eles procuraram em vão pelo lar humilde. O lugar parecia o mesmo, mas onde havia um barraco dilapidado há um ano agora havia uma grande casa que aparentemente tinha sido construída recentemente.


    Eles pararam por um momento para observar de longe, certificando-se de que estavam no mesmo lugar. A primeira coisa que passou pela cabeça do jovem foi o pressentimento de que a morte da vaca fora um golpe duro para aquela pobre família. Eles provavelmente foram forçados a deixar o local, e uma nova família, com mais posses, comprou o terreno e construiu uma casa melhor. 

    Imagine a surpresa quando, dentro de casa, viu o mesmo homem que os hospedara há um ano. No entanto, sua aparência era completamente diferente. O que aconteceu? 

    O homem confessou aos dois viajantes que a primeira reação à morte da vaca foi de desespero e angústia. Mas depois que perceberam que precisavam comer e, assim, obtiveram algumas sementes, começaram a plantá-las. Começaram a vender o excedente da colheita e, de vez em quando, conseguiam economizar dinheiro: e assim vinha um pouco de abundância ”.


    Mas, além da riqueza econômica, o importante é nunca estar disposto a sacrificar nossa felicidade.

    Adicione um comentário a partir de Crise econômica: para viver ou sobreviver?
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.