close
    search Buscar

    Amadurecemos graças ao dano, não aos anos

    Quem sou
    Robert Maurer
    @robertmaurer
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    Envelhecer é inevitável, mas envelhecer não significa necessariamente para ser maduro. Não é o tempo que nos faz mudar de perspectiva e nos faz crescer, mas sim as experiências que vivemos. Porque quando se fala em jornada de vida, muitas vezes o que importa não são os resultados alcançados, mas a pessoa que nos tornamos ao tomar nossas decisões.Na verdade, por décadas se acreditou que a velhice era um período de perdas. Hoje sabemos que, como em todas as fases da nossa vida, na velhice perdemos algumas habilidades, mas ganhamos outras. Por exemplo, nossa inteligência se cristaliza, o que significa que ela depende mais da experiência e das habilidades adquiridas ao longo da vida. Também somos mais cautelosos, empáticos, compreensivos e muito mais inteligentes emocionalmente, mas não é o tempo que nos dá tudo isso, são as nossas experiências, as situações difíceis que enfrentamos e os conflitos que resolvemos. Portanto, há também alguns muito jovens que mostram grande maturidade e boa resiliência, enquanto alguns adultos continuam a ter um pensamento infantil cheio de estereótipos. Não é o momento que nos faz perceber que temos que aprender com nossos erros e fracassos, eles são os danos que sofremos, que nos impulsionam a renovar o nosso espírito. Sair ferido pelas lutas da vida nos ensina que existem mil causas que podem nos fazer sofrer, mas são mil e um motivos para nos recuperarmos e continuarmos.

    O tempero da vida

    Um dia, um sábio professor hindu, cansado de ouvir as reclamações de seu aluno, decidiu lhe dar uma lição. Ele o mandou procurar um punhado de sal. Na volta, pediu-lhe que pegasse um pouco do sal, colocasse em um copo d'água e bebesse. - Qual é o gosto? - perguntou então a professora. - É salgado e amargo! - respondeu o aluno. Então a professora, sorrindo, pediu-lhe que o acompanhasse até a margem de um lago. Ele pediu-lhe que jogasse a mesma quantidade de sal na água do lago e bebesse um pouco. O jovem também. - Qual é o gosto da água? - ele perguntou novamente. - É muito fresco. - Está salgado? - De jeito nenhum. Então o mestre lhe disse: “A dor da vida é como o sal. A quantidade de dor é sempre a mesma, mas o grau de amargura que percebemos depende do recipiente em que colocamos a dor. Portanto, quando você está com dor, tudo o que você precisa fazer é expandir sua perspectiva sobre as coisas. Deixe de ser um copo d'água e vire um lago ".

    O valor dos anos

    Os anos também são preciosos. O passar do tempo permite-nos ter uma certa perspectiva, afastarmo-nos das paixões e sentimentos que vivemos no momento para avaliar a situação com maior objetividade. Ao longo dos anos conseguimos olhar para trás e encontrar um lugar para tudo, dando a cada acontecimento a dimensão certa. Passados ​​muitos anos podemos rir do medo que o professor nos deu na escola ou da ansiedade que nos deu a perspectiva do primeiro beijo. O tempo não apaga as experiências, mas ameniza o seu impacto emocional, torna-nos mais serenos para que possamos olhar para trás e, de alguma forma, possamos reescrever melhor a nossa história, mas para conseguir a mudança de perspectiva que nos faz crescer, para parar sendo um vidro e nos tornando um lago, devemos estar dispostos a mudar, aceitar e deixar ir. A simples passagem do tempo geralmente não é suficiente para esquecer um amor ou perdoar a nós mesmos um erro, devemos fazer a nossa parte.

    O valor da dor

    Dor, dúvida, incerteza, conflito, perda e erros também são excelentes professores de vida. Todos eles são necessários para compreender as coisas em sua dimensão real. As lágrimas podem ser salgadas e arder na ferida, mas também têm o poder de purificar os nossos olhos e permitir-nos ver o mundo com maior clareza. Só depois de sofrermos podemos compreender que o mundo é belo e que existem coisas que pelo qual vale a pena lutar. Naquele momento percebemos que o caminho não é muito longo nem doloroso se o destino vale a pena. Depois do sofrimento, entendemos que tudo é relativo e podemos ver o mundo sob uma nova luz, deixando de ser um pequeno vidro para se tornar um lago. Na verdade, quem não teve uma vida fácil foi forçado a andar mais nas ruas difícil de existência, a sua própria. Essas pessoas tiveram que olhar para dentro para entender suas emoções, tomar decisões difíceis e seguir em frente. É nesse processo que eles encontraram seu verdadeiro "eu" e cresceram.Com medo, eles aprenderam a não temer e na dor, eles aprenderam a administrar o sofrimento. Esses ensinamentos são as cicatrizes da guerra, mas serão o farelo de pão que lhes mostrará o caminho na próxima vez que enfrentarem obstáculos semelhantes. Porque, olhando para trás, aprenderam a lição mais importante de todas: nada é permanente, tudo passa, ensina-nos. A dor nos torna mais humanos, mais sábios e nos permite crescer. Lembre-se de que a escolha é sempre sua: despejar a dor em um copo ou em um lago.
    Adicione um comentário a partir de Amadurecemos graças ao dano, não aos anos
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.