Síndrome de Burnout em profissionais de saúde

Síndrome de Burnout em profissionais de saúde

Síndrome de Burnout em profissionais de saúde

Última atualização: 07 de abril de 2019

Há muitos trabalhos em contato com o público, mas os mais delicados são aqueles que pertencem ao setor de saúde. A proximidade constante com o paciente e o relacionamento com os familiares podem ser causa de efeitos muito negativos. Uma delas é a nota síndrome de burnout a que os profissionais de saúde estão propensos.

A síndrome de burnout é definida como a reação emocional ao ambiente organizacional ou de trabalho. É caracterizada por três sintomas principais: exaustão emocional, despersonalização e falta de realização pessoal. Tem um triplo impacto negativo: na empresa, nos pacientes e na saúde física e mental da pessoa que sofre com isso.



Esta síndrome afeta uma ampla gama de profissionais de saúde: médicos, enfermeiros, psicólogos, psiquiatras, farmacêuticos, nutricionistas, até assistentes sociais e administrativos.

O humor afeta nosso trabalho

O humor afeta diretamente os pensamentos e o comportamento. Afeta nossa capacidade de julgar, nossas decisões, a atitude com que enfrentamos um problema ou realizamos ou não uma tarefa.

Um problema pessoal no trabalho, causa de um estado de ansiedade perene afeta o desempenho profissional. Isso também acontece quando o problema está fora do mundo do trabalho: estamos distraídos, pouco concentrados, sensíveis, imprecisos...

Concentrar-se no trabalho quando nossa mente está ocupada com outros pensamentos não é fácil. E se o nível de concentração que nosso trabalho exige é alto, fica ainda mais complicado.

"O pensamento positivo está associado a uma maior criatividade inovadora e flexibilidade cognitiva."

-O gelo-

Nossos recursos atencionais são limitados, então notamos mais os efeitos negativos de um humor alterado nas tarefas que envolvem um esforço cognitivo considerável. A dificuldade aumenta se adicionarmos os pensamentos ruminantes gerados pelas emoções à nossa linha normal de pensamento.



Sintomas da Síndrome de Burnout em Profissionais de Saúde

Os sintomas da Síndrome de Burnout variam dependendo do indivíduo, da situação pessoal e das características do ambiente de trabalho. Dificuldade em acordar de manhã e fadiga crônica estão entre os primeiros sinais de alerta. 

Além disso, a síndrome de exaustão ocupacional pode causar os seguintes sintomas:

  • Psicossomática: dor de cabeça, distúrbios gástricos, insônia, palpitações, fadiga crônica, alergias.
  • Comportamental: absenteísmo, apatia, irritabilidade, pessimismo, reações cínicas, hostis, sarcásticas, suspeitas e comportamento ansioso generalizado ou focado no trabalho.
  • Emocional: frustração, tédio, frieza emocional, impaciência, ansiedade, desorientação e sensação constante de desamparo.

Fatores que favorecem o burnout

Alguns fatores que favorecem a síndrome de burnout estão intimamente relacionados ao próprio trabalho. Os trabalhos que envolvem estão especialmente interessados contatos humanos intensos, prolongados ou frequentes que produzem altos picos de estresse ou estresse intenso e constante. 


Estar fortemente envolvido no trabalho ou ter grandes expectativas é um fator de risco adicional. No fim, A síndrome da exaustão ocupacional afeta mais as mulheres do que os homens. 

Pines, Aronson e Kafry (1981) argumentam, no entanto, que a principal causa dessa patologia é o tédio no trabalho. Dele derivaria uma série de consequências emocionais favorecidas por:


  • Características internas no trabalho: turnos de trabalho, horas, segurança e estabilidade no emprego, antiguidade profissional, introdução de novas tecnologias na organização, nível de autonomia, salário, oportunidades de carreira, valorização...
  • Características externas e pessoais: pouca tolerância ao fracasso e à frustração, necessidade de controle ou sentir-se indispensável, ambição, impaciência ou perfeccionismo excessivo, competitividade.

Adicione um comentário do Síndrome de Burnout em profissionais de saúde
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.

End of content

No more pages to load