Absenteísmo no trabalho: causas psicológicas

Absenteísmo no trabalho: causas psicológicas

Absenteísmo no trabalho: causas psicológicas

Última atualização: 07 de abril de 2019

Você sabia que olhar o e-mail durante o horário de expediente é uma forma de absentismo Dal Lavoro? Em linhas gerais, a referida prática pode ser definida como a ausência deliberada do local de trabalho durante o horário de expediente. Mas também como um abandono de deveres, direitos e funções relacionados a um cargo específico. Mas o que está por trás dessa atitude? Por que uma pessoa se torna irresponsável no trabalho?



Este é um problema muito difícil de resolver, pois é enormemente complexo. Além disso, é um fenômeno endêmico que não conhece distinções de sexo, religião ou idade, desencadeada por diversos fatores, dentre os quais se destacam os de cunho psicossocial, que dependendo do caso específico, podem variar muito.

Vamos explorar as causas psicológicas do absenteísmo do trabalho.

Tipos de absenteísmo no trabalho

De um modo geral, o absentismo ao trabalho é geralmente classificado nos seguintes tipos:

  • Presencial: ocorre quando o trabalhador realiza tarefas não relacionadas ao seu trabalho durante o horário de expediente. Por exemplo, ao fazer compras na internet, ler e-mails, falar ao telefone com amigos ou familiares, etc. Essas atitudes representam prejuízos para a empresa que se prolongam no tempo. O trabalhador não paga, não se esforça e isso afeta a produtividade da empresa. Após vários avisos, o assunto pode terminar em demissão ou suspensão.
  • Justificado: o funcionário se ausenta de seu local de trabalho após a primeira notificação à empresa. Por exemplo, quando vai ao médico, quando sai de férias ou se afasta por parto, luto, acidente de trabalho, etc.
  • Injustificado e sem aviso: é a antítese do ponto anterior. O trabalhador não avisa nem justifica a sua ausência ao trabalho. Essencialmente, ele não é autorizado pela empresa e, como resultado, não pode deixar seu local de trabalho. Tal como no caso em apreço, pode conduzir à demissão por justa causa.

Causas psicológicas do absenteísmo no trabalho

É importante conhecer as causas subjacentes do problema para perceber porque é que o absentismo é considerado uma doença endémica e saber quais as consequências que pode causar, tanto para a pessoa como para o meio envolvente.



Como disse, fatores psicossociais explicam melhor o absenteísmo no trabalho. Mas estes últimos incluem uma grande quantidade de variáveis ​​individuais.

Despersonalização, baixa motivação e baixa autoestima

Nas últimas décadas, o trabalho deixou de ser um valor em si. Em outras palavras, ela foi explorada a ponto de também perder todos os seus valores intrínsecos. A temida "crise" transformou muitos trabalhadores em robôs. Seu local de trabalho é a única maneira de viver e cumprir suas obrigações.

Isso significa que, em última análise, a única coisa que importa para o trabalhador é o salário de fim de mês. Ele então deixa de prestar atenção ao desempenho para se concentrar mais no trabalho essencialmente como meio de subsistência. O efeito mais direto desse fenômeno é a despersonalização do trabalhador. Ele não vive seu papel como seu, mas como um meio "para". Ao mesmo tempo, gera-se uma perda de motivação, com consequente impacto negativo no humor.

"O absenteísmo é um fenômeno universal, oneroso, tanto para a organização quanto para o indivíduo, e influenciado por uma constelação de diferentes fatores inter-relacionados."

-Rhodes e Steers, 1990-

Estresse no trabalho

Atualmente algumas empresas adotam políticas de produção baseadas na redução de pessoal. Significa que estão demitindo ou não contratando novos trabalhadores na tentativa de manter os mesmos níveis de produção. Com isso, pede-se aos trabalhadores que tenham uma carga maior de responsabilidades e tarefas, ao mesmo tempo e com o mesmo salário.

O resultado? Sobrecarga de tarefas no local de trabalho, falta de motivação e o já referido estresse laboral. Esta última é a principal causa psicológica do absenteísmo no trabalho.


O estresse ocorre quando há um desequilíbrio entre o que o ambiente exige de nós e os recursos que temos para atender às solicitações. No que diz respeito apenas ao local de trabalho, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) define-o como uma doença capaz de “pôr em risco a economia dos países industrializados”.



Consequências do estresse no trabalho

Algumas das consequências do estresse no trabalho se manifestam a curto, médio e longo prazo, dependendo das pessoas e de suas estratégias para lidar com elas. Entre os efeitos psicológicos encontramos dificuldade de concentração e participação, ansiedade ou depressão, deterioração cognitiva, insônia e até transtornos mentais.

As consequências físicas podem se manifestar com alterações cardiovasculares (hipertensão, arritmias) ou dermatológicas (dermatite, alopecia, urticária). Mas também em problemas sexuais (disfunção erétil, ejaculação precoce) ou musculoesqueléticos (espasmos, tiques, tensão muscular).

Esse transtorno psicossocial não beneficia nem as empresas nem os trabalhadores. As empresas devem, portanto, ajudar seus funcionários a se livrar do estresse. Um problema adicional é o da simulação. Isto é o pretensão de uma doença ou distúrbio para justificar o absenteísmo. No entanto, um fenômeno que é muito difícil de provar e controlar.


Conclui-se que o absenteísmo no trabalho é um problema diretamente ligado às políticas da empresa, à qualidade do ambiente de trabalho e à insatisfação dos funcionários. E como qualquer problema, requer soluções eficazes e inteligentes, tanto mais eficazes quanto são específicos dependendo do caso.

Adicione um comentário do Absenteísmo no trabalho: causas psicológicas
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.

End of content

No more pages to load