close
    search Buscar

    Insônia: remédios, causas e tratamentos

    Quem sou
    Robert Maurer
    @robertmaurer
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    Insônia está dormindo mal, inadequadamente; o sono não é restaurador e é caracterizado pela dificuldade em conciliar e mantê-lo ou acordar muito cedo. Os casos mais agudos incluem aquelas pessoas que não conseguem dormir a noite toda. Aproximadamente 50% das pessoas já tentaram, pelo menos algumas vezes, lutar contra a insônia. Atualmente, 10% das pessoas sofrem de insônia crônica. Porém, deve-se enfatizar que a insônia quase sempre é um sintoma de algo diferente. Estima-se que 95% dos casos de insônia sejam causados ​​por alterações ou distúrbios psicológicos, enquanto apenas os 5% restantes seriam decorrentes de problemas orgânicos. Como você pode imaginar, o número de pessoas que sofrem de insônia está aumentando cada vez mais, devido ao estresse inerente às condições de vida modernas típicas das grandes cidades, onde a luta com os fatores econômicos e o tempo aumentam consideravelmente a tensão a que você está sujeito. . Outras causas que não devem ser subestimadas são momentos de estresse repentino, adoecimento, síndrome obsessivo-compulsiva, psicose ou uso de drogas. No entanto, as causas mais comuns são: depressão e ansiedade. Quando a pessoa está ansiosa, ela tem dificuldade para dormir, enquanto a pessoa deprimida geralmente acorda cedo e tem dificuldade para voltar a dormir. Naturalmente, quem sofre de insônia sofre ao longo do dia, pois passa a ter dificuldades em seu desempenho causadas por problemas de concentração, comprometimento da memória, irritabilidade e agressividade. Curiosamente, embora as pessoas relatem sentir fadiga diurna devido à privação de sono, estudos polissonográficos mostram que não há aumento dos sinais fisiológicos de sonolência, sugerindo que a sensação de fadiga pode ser puramente subjetiva. Dentre os diferentes tipos de insônia, a insônia se destaca pela sua cronicidade. primário. Este se caracteriza pela duração que ultrapassa um mês, pela influência que exerce no desempenho da pessoa e por não ser decorrente de doenças crônicas ou do consumo de substâncias. Pessoas com insônia primária geralmente apresentam uma combinação de dificuldade para dormir e acordam com frequência durante a noite. Ao mesmo tempo, queixam-se de não terem tido um sono reparador, ou seja, têm a sensação de que o sono foi agitado, superficial e de má qualidade. Este distúrbio está associado a um aumento do nível de alerta fisiológico e psicológico durante a noite, combinado com um condicionamento negativo que impede o sono. Evidentemente, as preocupações e desconfortos decorrentes da incapacidade de dormir geram um círculo vicioso: quanto mais se tenta dormir, mais frustrada fica por não poder fazê-lo e, por isso, dorme menos. Deitar em uma cama onde antes passava noites sem dormir pode ajudar a gerar ativação incondicional. Por outro lado, às vezes a pessoa pode dormir facilmente quando não quer, talvez enquanto assiste televisão, lê ou dirige. Muitas pessoas com insônia primária têm história de sono superficial ou problemas anteriores de depressão e ansiedade. A maioria dos casos começa repentinamente, coincidindo com algumas situações estressantes, mesmo que persistam por muito tempo após o desaparecimento da causa raiz. A insônia primária geralmente começa nos primeiros estágios da vida adulta; no entanto, houve casos excepcionais de ocorrência na infância. O curso mais frequente da insônia consiste em uma fase inicial em que a piora é progressiva ao longo de semanas ou meses, seguida por uma fase crônica de distúrbio do sono que pode durar até anos. A solução não é simples, mas existem alguns programas online dedicados, por exemplo, com o objetivo de facilitar o sono.



    Adicione um comentário do Insônia: remédios, causas e tratamentos
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.