A lenda do fio vermelho

Quem sou
Robert Maurer
@robertmaurer
FONTES CONSULTADAS:

wikipedia.org

Uma noite, a caminho de casa, uma criança conheceu um homem idoso em
pés sob o luar. O homem disse ao menino que ele estava amarrado ao seu futuro
esposa deu um fio vermelho e apontou a mulher a quem ele estava destinado. A criança, que não estava nem um pouco interessada em conhecer sua "futura" noiva,
jogou uma pedra na menina e fugiu. Anos depois, o menino havia se tornado um jovem e seus pais
cuidaram de organizar seu casamento, procurando a esposa ideal para
ele, como era o costume naquela época naquela cultura. Encontrou o parceiro e concluiu
o casamento, a primeira noite de n√ļpcias, a esposa foi acompanhada por seu marido
em seu quarto, a jovem tinha o rosto coberto com um véu. Removendo
o véu o jovem viu a beleza de sua esposa pela primeira vez e permaneceu
pasmo, mas ele também notou um ornamento que a menina usava
sobrancelha. Então o menino perguntou à esposa o que o enfeite estava escondendo, e ela disse a ele que, quando criança, numa noite de lua cheia, ela conheceu um menino.
que atirou uma pedra nele, causando-lhe uma ferida que o deixou muito feio
cicatriz. O enfeite foi usado para cobrir a marca daquela noite. O jovem n√£o sabia que naquela noite de sua inf√Ęncia, o velho dele
conhecido foi ninguém menos que Yue Xia Lao, um homem que, segundo a lenda
popular, ele mora na lua e todas as noites sai em busca de quem est√° entre as almas
eles s√£o predestinados. Mais tarde, ele os amarra com um fio vermelho fino para que n√£o
n√£o pode mais ser perdida. Esta lenda chinesa, da qual existem v√°rias vers√Ķes, √© conhecida
também no Japão e fala sobre os fios invisíveis que nos ligam a outras pessoas,
fios que podem ficar emaranhados ou esticados, mas nunca quebram.

Paulo Coelho, refletindo sobre essa lenda, disse:

“Dizem que ao longo da nossa vida temos dois grandes amores: um é
aquele com quem você se casa e vive para sempre, e que talvez seja o pai ou o
mãe de nossos filhos ... Aquela pessoa com quem você tem a maior interpenetração
e você quer passar o resto da vida ... E dizem que existe um segundo grande amor, uma pessoa que sempre perderemos.
Alguém a quem estamos ligados desde o nascimento, tão ligados aquela força
da química, fugir da razão sempre o impedirá de ter uma feliz
fim. Até que um dia, os dois param de tentar ... Eles desistem, e
eles come√ßam a procurar a outra pessoa que eventualmente encontrar√£o. Mas eu garanto que n√£o passar√° uma √ļnica noite sem a necessidade de outro beijo dela,
ou pelo menos para discutir mais uma vez ... Todo mundo sabe do que estou falando, porque conforme eles liam, eles entraram
preste atenção ao nome dele. Eles vão se livrar dele ou dela, eles vão parar de sofrer, eles serão capazes de encontrar
paz (eles a substituir√£o com calma), mas n√£o passar√° um dia sem seu desejo
estar ao seu lado para perturbá-los. Porque, às vezes, mais energia é liberada discutindo com alguém que você ama,
ao inv√©s de fazer amor com algu√©m que voc√™ aprecia ‚ÄĚ.

O fio vermelho: destino ou coisa do passado?

Na verdade, o lado mais interessante dessa lenda é que todos nós temos
v√°rios t√≥picos vermelhos a seguir e muitas decis√Ķes a tomar, especialmente se
queremos avan√ßar na vida. Algumas dessas decis√Ķes s√£o realmente dolorosas,
mas necess√°rios, os outros s√£o erros puros e simples, portanto, em nossas rela√ß√Ķes devemos sempre encontrar um equil√≠brio. Isso √© muito
prejudicial ser levado apenas pelo coração, pois é seguir apenas o
razão. Pessoas especiais não são especiais apenas pelo que são, mas também
pela relação que estabelecemos com eles, pelas memórias que temos
construídos juntos e, claro, no momento em que entraram no
nossa vida. Essa combina√ß√£o de fatores cria um relacionamento √ļnico e irrepet√≠vel. Portanto,
sempre fará parte da nossa memória, e o fio vermelho não se romperá. Contudo,
isso n√£o significa que devemos nos ater ao passado pensando sobre ele
continuamente. Em vez disso, neste ponto, é importante aprender a lembrar, sem
dor, sem ressentimento e sem nostalgia. Estamos todos ligados por fios invisíveis às pessoas importantes nossas
passado, mas isso não deve nos impedir de viver no presente. Esses tópicos
os tintos não precisam se transformar em cargas pesadas, mas sim em pontes do que nós
eles se conectam com o que temos sido. N√£o podemos esquecer as pessoas que
nós amamos, mas podemos aprender a viver com isso sem implicar em um fardo
para o nosso presente. O fio vermelho n√£o deve limitar o nosso futuro,
ao contrário, deve se tornar uma bela lembrança de nosso passado.
  • 22 Obtenha crescimento pessoal
Adicione um coment√°rio do A lenda do fio vermelho
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.