close
    search Buscar

    Ser livre: os 4 princípios da liberdade pessoal

    Quem sou
    Robert Maurer
    @robertmaurer
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Coment√°rios sobre o item:

    aviso de conte√ļdo

    Todos n√≥s queremos ser livres: livres para escolher, livres de preocupa√ß√Ķes, livres de condicionamentos sociais, livres de sofrimento. No entanto, continuamos a viver como "reclusos" em uma pris√£o sem grades, condenados √† pris√£o pelo mais severo dos ju√≠zes: n√≥s mesmos. √Č por isso que neste artigo eu gostaria de explorar com voc√™ "Os quatro acordes‚Äú: Princ√≠pios de vida inspirados na antiga sabedoria tolteca para finalmente voltar a ser livre.

     

    "A liberdade n√£o pode ser concedida, deve ser conquistada."



    Elbert Hubbard.

    Você já se perguntou o que realmente significa ser livre?

    Não, porque muitas vezes ouvimos falar de liberdade em nossa sociedade, às vezes até nauseam: políticos falam sobre isso, gurus religiosos falam sobre isso, diabos até influenciadores no Instagram falam sobre isso!

    Mas o que nos é oferecido é a verdadeira liberdade? Talvez sejamos livres quando podemos ...

    • Vestir-se como pensamos?
    • Acordar quando queremos?
    • alimenta√ß√£o o que vai ai?
    • Viagens em todos os lugares?
    • Trabalhar s√≥ quando temos vontade?
    • comprar tudo o que queremos?
    • Dizer tudo o que passa pela nossa cabe√ßa?

    Oh Deus, n√£o faria mal ter todas essas ... liberdades, certo?!

    Mas talvez n√£o seja um paradoxo sentir que somos livres apenas quando estamos determinados resultados ou apenas quando certo ter√° sido realizado condizioni?

    Pensar, por exemplo, que só seremos livres quando chegarmos ao famoso liberdade financeira, isso não nos torna escravos do dinheiro?

    Veja bem, como um maldito engenheiro e também um tanto ambicioso, gosto de manter os pés firmes no chão e continuar perseguindo meus objetivos, objetivos que muitas vezes têm a ver com muitas das liberdades listadas acima.



    Mas recentemente eu li um livro "inesperado" que me fez pensar sobre o que é a coisa real liberdade pessoal.

    Sentir-se verdadeiramente livre muitas vezes tem muito mais a ver com o nosso estado mentalao inv√©s de nossos resultados ou condi√ß√Ķes externas de vida.

    Em suma, o pior dos fracassos seria ser capaz de atingir todos os nossos objetivos e, ent√£o, perceber que ainda n√£o nos sentimos livres.

    Ent√£o vamos ver como evit√°-lo ...

    O cirurgi√£o virou xam√£

    O livro que mencionei algumas linhas atr√°s √© o livro de Miguel Ruiz intitulado "Os quatro acordes".

    O autor, de origem mexicana, após terminar os estudos médicos, iniciou sua carreira como cirurgião na Cidade do México, onde exerceu por vários anos.

    Na sequência de um gravíssimo acidente de automóvel, decide abandonar a profissão de médico, muda-se para os Estados Unidos e torna-se aprendiz de xamã (face à crise da meia-idade!).

    Em 1997 ele escreveu "Os quatro acordes‚Äú, Que rapidamente se torna um best-seller do New York Times, onde permanece no topo das paradas por bem anos 10, vendendo cerca de 7,2 milh√Ķes de c√≥pias apenas nos Estados Unidos e muitos mais no resto do mundo.

    O livro, como mencionei, é ... inesperado: mistura uma abordagem analítica do estudo da mente, típica de quem tem formação médico-científica, com passagens decididamente mais místicas, inspiradas na sabedoria milenar de Toltechi, População mesoamericana da era pré-colombiana que dominou grande parte do centro do México entre os séculos X e XII.


    Entre nós, antes de começar a ler este texto, tive o merda de radar em alerta máximo e rolando algumas páginas, meu detector de tacadas *!% te saiu da escala mais de uma vez.


    Deixando de lado algumas… "licenças poéticas" do autor, achei interessante 4 princípios chave estabelecidas no livro e eu sinceramente acredito que aplicá-las consistentemente em nossa vida pode nos libertar de muitas de nossas cadeias mentais.

    Vamos descobrir isso então quatro acordes e qual é a sua origem.

    Como podemos ser livres se continuarmos a viver imersos em um sonho?

    O historiador israelense Yuval Noah Harari, dentro "Sapiens - dos animais aos deuses: uma breve história da humanidade", Apresenta um conceito esclarecedor na minha opinião ...

    Tanto os humanos quanto os animais s√£o capazes de perceber o realidade objetiva (por exemplo, uma √°rvore ou uma pedra) e o realidade subjetiva (por exemplo, dor ou prazer), mas apenas os homens desenvolveram a capacidade de perceber tamb√©m o realidade intersubjetiva, que √© o conjunto de constru√ß√Ķes mentais, hist√≥rias e fantasias, compartilhados por milhares, e √†s vezes bilh√Ķes, de outros seres humanos (por exemplo, dinheiro, direitos humanos, na√ß√Ķes).

    Ruiz usa uma linguagem decididamente mais mística em seu livro, mas na verdade fala do mesmo conceito, antes de apresentar a famosa quatro acordes.

    Segundo o autor mexicano, nosso mundo √© feito de r√≥tulos, conceitos e cren√ßas sociais, mas n√£o passam de ilus√Ķes; na verdade, portanto, vivemos em um sonho compartilhado.


    Isso "sonho coletivo“Foi-nos imposta desde o nosso nascimento através das palavras, histórias e ensinamentos dos nossos pais, dos nossos professores e em geral da sociedade em que crescemos e vivemos.

    ‚ÄúVivemos imersos em um sonho disfuncional e o ser humano sofre de uma doen√ßa chamada medo. Os sintomas s√£o todas aquelas emo√ß√Ķes que nos fazem sofrer: raiva, √≥dio, tristeza, inveja e trai√ß√£o. ‚ÄĚ


    Don Miguel Ruiz.

    Esse sonho √© extremamente real e tang√≠vel para n√≥s, essas ilus√Ķes sociais s√£o na verdade para n√≥s t√£o concretas quanto podem ser leis da f√≠sica.

    Essas regras nos dizem como as coisas s√£o ou deveriam ser, nos imp√Ķem o que devemos pensar de n√≥s mesmos e dos outros, enfim, nos ajudam a encontrar a ordem no caos.

    ... E em algum momento da nossa vida, temos acordado com essas regras, nós as internalizamos e não foi mais necessário que alguém as impusesse de fora, porque nós mesmos nos tornamos réus e juízes no interminável processo que garante que essas leis sociais sejam respeitadas.

    Nem todas essas regras (esses acordos tácitos) são prejudiciais para nós.

    Alguns têm utilidade prática e permitem que a sociedade em que vivemos funcione. Outros são extremamente disfuncionais, criam sofrimento em nossa vida e não nos permitem ser livres como gostaríamos.

    Um exemplo?

    Um dos acordos mais perigosos que internalizamos é aquele que nos faz acreditar que "nunca seja o suficiente“, Ou melhor, que devemos sempre aspirar a algo ideal de sucesso e perfeição impostas pela empresa.

    E permanecemos apegados a essas leis (tanto as √ļteis quanto as in√ļteis - se n√£o totalmente prejudiciais) como se f√īssemos mexilh√Ķes agarrados a uma rocha.

    Fazemos isso porque, às vezes, o sofrimento que conhecemos é preferível a uma promessa desconhecida de felicidade.

    Sentimo-nos seguros e embalados pela familiaridade de certas crenças e, com toda a honestidade, ainda não encontramos crenças alternativas (melhor) para se agarrar.

    E é aqui que eu entro em jogo quatro novos acordos proposto no livro de Ruiz. Vamos começar do primeiro ...

    1. Seja perfeito com sua palavra

    O primeiro acorde (princípio), sugerido pelo autor mexicano para retornar a essere liberi, diz respeito ao nosso diálogo interno e externo.

    Se quisermos ganhar nossa liberdade pessoal, devemos primeiro aprender como nunca use palavras contra os outros ou contra nós mesmos.

    Neste caso, o termo "impec√°vel‚ÄúDeve ser entendido literalmente, ou quando nos expressamos devemos estar‚Äú sem pecado ‚ÄĚ. Por√©m, sem conota√ß√£o religiosa, aqui o significado √© o original latino: expressar-se sem pecado (sine peccńĀtum), significa falar sem erro, sem desrespeito.

    Isso é especialmente verdadeiro para o nosso diálogo interno.

    Só seremos verdadeiramente livres quando pararmos de nos julgar e nos culpar o tempo todo.

    Retornar o controle de nossa voz interior significa retomar o controle de nossa vida.

    Nesse sentido, se voc√™ deseja aprofundar os mecanismos do nosso di√°logo interno e porque muitas vezes nos transformamos em nossos piores inimigos, remeto-vos para o excerto gratuito do meu manual Autoestima passo a passo (APP), em que eu exploro o 5 tipos de di√°logo interno enfraquecedor e como podemos nos livrar dele.

    Você pode baixar o extrato gratuito na página de apresentação do manual. Você encontra clicando aqui.

    Mas vamos ver o segundo acordo tolteca.

    2. N√£o leve nada para o lado pessoal

    Tente pensar a respeito: se alguém lhe fizer uma crítica injusta (eu sei, em alguma rede social) e você continuar choramingando e ruminando sobre isso o dia todo, pode dizer que é livre?

    O segundo acordo proposto por Dom Miguel Ruiz é, portanto, o de nunca leve nada para o lado pessoal.

    Na verdade, a verdade é que nada que as pessoas nos digam ou façam é realmente sobre nós.

    Existem dezenas de (√†s vezes obscuras) raz√Ķes pelas quais os outros se comportam da maneira que eles agem e essas motiva√ß√Ķes muitas vezes n√£o t√™m nada a ver conosco, mas t√™m muito a ver com as frustra√ß√Ķes e dificuldades que essas pessoas vivenciam.

    Porque lembre-se ...

    "Aqueles que fazem julgamentos não definem os outros, mas a si próprios."

    No entanto, aprender a nunca levar nada para o lado pessoal não é fácil, requer uma experiência profunda autoconsciência e umautoestima inabalável.

    Temer o julgamento dos outros e levá-lo para o lado pessoal costuma ser um sinal de medos não resolvidos e inseguranças.

    Lembrar-se de aplicar o segundo acordo pode nos ajudar, mas n√£o nos exime de lidar com nossas feridas emocionais e mentais que ainda n√£o foram marginalizadas.

    Vamos passar para o próximo acorde de Don Miguel Ruiz.

    3. N√£o presuma nada

    Nossa mente √© governada por dezenas de vi√©s cognitivo e frequentemente tende a tirar conclus√Ķes precipitadas para economizar tempo e energia cognitiva.

    Por esse motivo, o terceiro acorde sugerido no livro do cirurgião que virou xamã é o de nunca tome nada como garantido, nunca assuma nada.

    Por exemplo, se dissermos olá para um conhecido na rua e ele não nos responder, podemos presumir que ele é um idiota, mas a verdade é que ele simplesmente pode não ter nos visto.

    Ainda mais s√©rias s√£o as suposi√ß√Ķes que fazemos sobre isso noi stessi.

    Talvez nos subestimamos e tenhamos como certo que n√£o estamos inclinados a uma determinada atividade, ou talvez nos superestimamos e enfrentemos amargas decep√ß√Ķes que nos fazem sentir mal.

    De qualquer forma, estamos considerando algo que realmente n√£o sabemos.

    Portanto, √© muito mais √ļtil substituir o suposi√ß√Ķes com o perguntas direcionadas e um pr√°tica constante.

    Somente por meio do aprofundamento e da experiência podemos chegar a um conhecimento direto da realidade.

    Nunca assuma nada. N√£o seja guiado por preconceitos. Nunca tome nada por garantido.

    Estude, aprofunde, desenvolva uma curiosidade insaci√°vel para entender como as coisas realmente s√£o.

    ‚Ķ E chegamos ao quarto e √ļltimo acordo tolteca.

    4. Sempre faça o seu melhor

    O quarto acorde é aparentemente o mais banal, mas isso só porque é um convite que muitas vezes nos foi dirigido, mas do qual provavelmente nunca entendemos o significado mais profundo.

    Sempre faça o nosso melhor na verdade, significa colocar de lado todas as nossas desculpas e manter nossas tendências perfeccionistas sob controle. Na verdade, pode acontecer no dia em que ...

    • N√≥s acordamos cansado e nervo.
    • N√£o temos nenhuma vontade de continuar o nosso compromissos acad√™micos e trabalhar.
    • Gostar√≠amos de jogar fora todos os nossos bons h√°bitos.

    Para concluir…

    N√£o nos sentiremos melhor todos os dias, mas podemos fazer o nosso melhor todos os dias.

    Conforme explicado em um artigo recente dedicado a "Sistema diferente de zero‚ÄúEm alguns dias, fazer o melhor pode significar ser capaz de ler at√© mesmo uma √ļnica p√°gina de um livro, treinar em baixa intensidade ou meditar por apenas alguns minutos.

    N√£o importa: sejam quais forem as nossas condi√ß√Ķes, podemos sempre fazer o nosso melhor com o que temos √† nossa disposi√ß√£o naquele momento em termos de tempo e energia.

    Entre outras coisas, internalizar e praticar este quarto acorde constantemente permitirá que você aplique os outros três mais facilmente e o colocará no caminho para liberdade pessoal.

    A esse respeito, para concluir, gostaria de voltar à pergunta com a qual abrimos este artigo ...

    Adicione um comentário a partir de Ser livre: os 4 princípios da liberdade pessoal
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.