Relacionamentos felizes: uma quest√£o de genes?

Relacionamentos felizes: uma quest√£o de genes?

De acordo com pesquisas recentes, existe um gene que promove a felicidade do casal. O que essa descoberta diz e que implica√ß√Ķes ela tem?

Relacionamentos felizes: uma quest√£o de genes?

Escrito e verificado pelo psicólogo GetPersonalGrowth.

Última atualização: 15 de novembro de 2022

Por que é fácil se apaixonar, mas é tão difícil construir um relacionamento sério, estável e gratificante? Talvez a explicação esteja escrita em nossos genes. Isto é o que diz um grupo de pesquisadores que descobriram o gene para relacionamentos felizes.



Aparentemente existe um gen√≥tipo que nos predisp√Ķe a estabelecer esses v√≠nculos. Isso significa que aqueles que t√™m a sorte de nascer com essa caracter√≠stica gen√©tica est√£o destinados a serem felizes no amor? Obviamente n√£o.

Como sabemos, a relação do casal é complexa, e a felicidade depende de muitas variáveis, alguns dos quais estão fora do nosso controle.

Deve-se admitir, no entanto, que a ciência nunca deixa de nos surpreender. Saber que o DNA pode conter a fórmula que aumenta a chance de ter um vínculo feliz é no mínimo curioso.

O gene dos relacionamentos felizes

Que existe um gene para relacionamentos felizes pode soar como ficção científica. Ou pode nos fazer pensar que existe algum determinismo biológico. Ou, talvez, que possamos fingir analisar a herança genética antes de iniciar um relacionamento amoroso.

Bem, talvez seja melhor não trabalhar muito com a imaginação, porque a questão é muito mais simples. O estudo recentemente publicado foi conduzido pela Universidade de Arkansas, Universidade Estadual da Flórida e Universidade McGill.

O objetivo foi identificar os marcadores genéticos que podem explicar a estabilidade e satisfação no relacionamento do casal; os dados que surgiram são muito interessantes.


O gene CD38 e seu papel na produção de ocitocina

Aparentemente, o gene CD38 tem a fun√ß√£o espec√≠fica de liberar ocitocina em abund√Ęncia quando estamos envolvidos em um relacionamento. Em que isso se traduz?


Em um efeito importante: poderemos vivenciar mais pensamentos, emo√ß√Ķes e comportamentos voltados ao fortalecimento do v√≠nculo sentimental.

Como todos sabemos, a oxitocina √© o horm√īnio do afeto, do apego saud√°vel e do amor. Essa mol√©cula multifuncional impulsiona a maioria de nossos comportamentos de cuidado uns com os outros.

O gene do relacionamento feliz é expresso através de três crenças

A pesquisa durou três anos e envolveu 73 casais, com um duplo objetivo. A primeira, para analisar o andamento do relacionamento. A segunda, analisar amostras genéticas (saliva) para identificar possíveis marcadores que pudessem explicar a estabilidade e felicidade do casal.

O resultado, como previsto, √© que os casais mais estabelecidos e felizes tinham o gene CD38. Al√©m de favorecer uma maior libera√ß√£o de ocitocina, observou-se que esse efeito estava ligado a tr√™s cren√ßas (pensamentos) sobre as rela√ß√Ķes emocionais:

  • O relat√≥rio baseia-se num princ√≠pio fundamental: la fiducia. Essa dimens√£o precisa ser alimentada todos os dias.
  • A capacidade de perdoar. Conflitos, discuss√Ķes, pequenos erros sempre merecem compreens√£o, um esfor√ßo de empatia.
  • Sentimento de gratid√£oCasais com o gene do relacionamento feliz que est√£o juntos h√° mais de tr√™s anos disseram que s√£o gratos por compartilhar a vida.

O genótipo CC em homens

No decorrer desta pesquisa, descobriu-se uma pequena diferença na variável gênero: homens com o genótipo CC têm uma identidade e sentimento mais fortes como casal.


Isto significa que homens com esse genótipo específico tendem a se sentir mais engajados em direção ao parceiro. Em outras palavras, eles seriam menos propensos à infidelidade ou comportamento despreocupado ou desatento.

Quais s√£o as implica√ß√Ķes da descoberta do gene CD38?

Podemos pensar que a descoberta desse gene √© uma esp√©cie de pedra de Roseta. √Č, portanto, suficiente ter esse gen√≥tipo para que o relacionamento do casal seja satisfat√≥rio e bem-sucedido? Na realidade, este n√£o √© o caso


Um gene aumenta a probabilidade de um traço específico se manifestar, mas não é decisivo. Sem contar que o gene CD38 pode estar presente no nosso DNA, mas não no DNA do parceiro. Isso sugere que o sucesso de um relacionamento não depende apenas do fator genético.


Outras vari√°veis ‚Äč‚Äčcomo personalidade, maturidade emocional ou empatia s√£o muito mais importantes. Al√©m disso, o casal √© amea√ßado por uma s√©rie de obst√°culos e desafios que nem sempre podem ser controlados.

Saber que você tem o gene do relacionamento feliz é interessante e curioso, mas não é esse elemento que marca nosso destino.

Adicione um coment√°rio do Relacionamentos felizes: uma quest√£o de genes?
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.

End of content

No more pages to load