O mundo precisa de exemplos, não de opiniões

O mundo precisa de exemplos, não de opiniões

O mundo precisa de exemplos, não de opiniões

Escrito e verificado pelo psicólogo GetPersonalGrowth.

Última atualização: 14 de dezembro de 2021

Às vezes sentimos dor vivendo em um mundo em que a batalha é sempre vencida por interesses pessoais, benefícios econômicos, maldade e egoísmo.

Geralmente, a decepção e o desconsolamento resultantes nos levam a acreditar que pessoas boas são raras e que os poucos que estão lá não serão capazes de trazer nada de significativo ao mundo.



No entanto, pessoas boas são aquelas que mantêm o mundo em equilíbrio, que resolvem esse quebra-cabeça com sua sinceridade, honestidade e boas ações. Todas as pessoas que merecem o adjetivo "bom" representam o que gostamos de assistir. De resto, tudo é simplesmente insuportável.

O mundo que nos entristece, nosso mundo

Há imagens que machucam, que realmente nos fazem sofrer e que abalam nossa alma. Mesmo que possamos fechar os olhos, a dor dos outros sempre nos assombrará. Há casos em que a injustiça nos dá um tapa vergonhoso.

Infelizmente, muitas coisas que nos entristecem hoje amanhã já serão esquecidas. Um exemplo perfeito é a foto que ilustra precisamente essas palavras, a foto do infortúnio, da vergonha, do tormento.

“Quem sou eu para dizer para você não vir.

Eu também arriscaria tudo.

Cruzaria mares, fronteiras e países.

E o que mais.

Já sei que não vou convencê-lo.

E eu nem penso nisso.

Mas você deve saber que, deste lado, o futuro é um bem de consumo.

E os impostos de fronteira são pagos em vidas humanas.

Aqui mostramos que só nos importamos quando você nos incomoda.



Quando você cobre a praia e o sol.

Quando sua imagem nos atinge e fica gravada em nossa alma para sempre.

Sim, eu sei que é uma pena.

E eu imploro seu perdão.

O que posso fazer, além de tudo o que não estou fazendo.

Mas quem sou eu para lhe dizer para não vir.

Se a única coisa que fizéssemos por você foi mostrar que você não existe.

Se a única coisa que sabemos sobre você é um número, agora que você se foi."

(Risto Mejide)

Não somos bons se nos lembrarmos das coisas importantes

Graças à rede, abrimos os olhos e entendemos que os fios que movem o mundo são muito mais cruéis do que podemos suportar. Certamente essas palavras e imagens machucam e nos fazem refletir, mas com a internet, o infortúnio é esquecido tão rápido quanto viralizou.

Quando algo nos toca por dentro, todos expressamos nossa opinião; porém, se fizermos um balanço entre nossas ações e nossas intenções, veremos que estas últimas são preponderantes. Temos medo dessas ideias que estão tirando vidas e temos medo de que os interesses que movem o mundo sejam mais fortes que a nossa união.

Nossas emoções tentam colidir com um mundo que ainda tememos. No entanto, enquanto as palavras voam como o ar, os sentimentos não podem ser movidos nem mesmo por um furacão. Eles podem desaparecer, mas sempre ficarão conosco, bloqueando o caminho para a indiferença.

Não vamos nos justificar com palavras, não vamos olhar para o outro lado

Evidentemente, ainda não estamos suficientemente angustiados pelo mal e, como resultado, conseguimos tolerar nosso desamparo. Mas não estamos programados para sentar confortavelmente em nosso sofá dia após dia.



Talvez tenhamos ficado presos em uma espiral que nos faz gerar sentimentos vazios. No entanto, ainda acredito no ser humano, ainda confio que podemos sentir e agir de acordo.


Somos muito bons em nos justificar com palavras. Quando temos que dar uma opinião, damos muito sentido às nossas frases, mas aí o medo vence a batalha contra a ação.

Diante das injustiças, não podemos nos resguardar com alguma frase que mascare nossa frustração. Devemos dar vida às nossas opiniões e não fechar os olhos; devemos nos perdoar e começar a agir.

Com nossa ausência de ação, estamos manchando nossa consciência com sangue. A injustiça brilha tão forte que se torna ofuscante. Não permitamos que isso seja apenas temporário: podemos combater os perpetradores do infortúnio. Se agirmos, podemos criar exemplos em vez de opiniões.

O mundo é um lar para todos os seus habitantes. O fato de existir antes de nascermos e de continuar a girar mesmo quando estivermos mortos não significa que não sejamos responsáveis ​​pelo que acontece.


Crianças que estão morrendo de fome. Famílias refugiadas esgotadas. Mulheres estupradas. Soldados mortos. Pessoas como nós escravizadas, que costuram roupas. Animais torturados. Espaços naturais devastados. Governos, ricos e máfias que brincam com os habitantes do mundo, criam necessidades, satisfazem seus interesses e fabricam sapatos para nós.

Tudo isso precisa mais do que uma opinião. Por tudo isso, o mundo precisa do nosso exemplo, da nossa ação, da nossa luta. O mundo precisa de pessoas como nós para recuperar o fôlego.

Adicione um comentário do O mundo precisa de exemplos, não de opiniões
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.

End of content

No more pages to load