close
    search Buscar

    Você sempre diz "sim" quando quer dizer "não"

    Quem sou
    Robert Maurer
    @robertmaurer
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    Alguém te pergunta uma coisa e você diz que sim, talvez não imediatamente, mas acaba desistindo, mesmo que não queira. No entanto, assim que aquele "sim" sai da sua boca, algo dentro de você fica preso. Você começa a pensar sobre tudo o que essa nova responsabilidade acarretará. Talvez você se lembre da última vez em que ajudou aquela pessoa e ela não gostou do que você fez. Ou você pode pensar nos problemas pessoais que isso causou para você oferecer essa ajuda.



    Então seu cérebro começa a dar desculpas, enquanto você anseia que não seja tarde demais para recuar. Mas, como você já deu sua palavra, volte ao bom senso, ignore as desculpas e decida que irá ajudá-la. Pela última vez. Você se resigna. Novamente. E assim sucessivamente.

    Se esse cenário é familiar para você e se repete cada vez com mais frequência na sua vida, a ponto de se sentir usado e manipulado, você provavelmente precisa estabelecer limites, precisa saber dizer não. Do contrário, você acabará sobrecarregado, saturado de tarefas e responsabilidades que provavelmente não correspondem e geram um enorme estresse.

    Por que sempre digo sim quando quero dizer não?

    - Faça pelos outros o que você gostaria que eles fizessem por você. Se você está sempre disposto a ajudar os outros, mesmo quando a ajuda é um fardo pesado para você, é provável que tenha um profundo senso de dever. Você se mostra disponível porque espera que os outros façam o mesmo, porque eles lhe ensinaram que o autossacrifício é um valor positivo que todos devemos colocar em prática. O problema é que muitas pessoas não estarão dispostas a fazer o mesmo por você e provavelmente tirarão proveito de sua gentileza.


    - Você quer manter sua palavra. Provavelmente, você é uma pessoa responsável, então, uma vez que você se comprometa com algo, você o faz. Você pode não ter considerado cuidadosamente o que o pedido implicava e se apressou em responder, mas como você acha que não está certo mudar de ideia e retirar a oferta de ajuda, vá em frente, mesmo que isso implique um grande sacrifício para você.


    - Você tem medo de perder a pessoa. Se você sempre diz sim quando quer dizer não a uma pessoa, provavelmente você está motivado pelo medo da perda. Você não estabelece limites porque teme que a pessoa o rejeite ou o abandone se você não ceder aos seus pedidos ou não estiver disponível para ela. Nesse caso, é provável que você esteja a um passo de sofrer o efeito capacho.

    - Você não quer que os outros pensem mal de você. Às vezes, é provável que você ceda à pressão dos outros porque deseja evitar a onda de choque que sua rejeição poderia causar. Por exemplo, se você se recusa a ajudar um amigo e está preocupado com o que o resto de seus amigos vão pensar de você ou se recusa a ajudar um membro da família e está preocupado com a reação do resto de sua família.

    - Você tem o complexo de salvador. Nesse caso, você provavelmente sentirá uma necessidade urgente de "resgatar", "cuidar" ou "ajudar" outras pessoas, mesmo ao custo de sacrificar suas próprias necessidades. Esse comportamento é baseado na crença de que quem se oferece aos outros é melhor. Portanto, são pessoas que procuram fortalecer a sua identidade entregando-se aos outros.


    - Você não se aprecia o suficiente. Se você diz sim o tempo todo quando quer dizer não, colocando as necessidades dos outros antes das suas, é provável que tenha um problema de autoestima. Se você não se valoriza o suficiente, se não valoriza seu tempo e energia, ficará mais inclinado a ceder às demandas das pessoas ao seu redor, porque considera as necessidades e os desejos deles mais importantes e preciosos do que os seus.

    Os perigos de dizer sim quando você quer dizer não

    - Ressentimento. Uma das principais consequências de não estabelecer limites é que você acabará cedendo à pressão dos outros e, quando as coisas não vão bem, você ficará ressentido. Você provavelmente vai acabar se sentindo zangado, frustrado e chateado porque se esforçou tanto e talvez não tenha obtido o reconhecimento certo.


    - Deterioração do relacionamento. Quando uma pessoa lhe pede constantemente e você cede, estabelece-se um desequilíbrio de poder no qual você é o perdedor. Não é estranho que esses relacionamentos acabem sofrendo ou mesmo se rompendo, pois é provável que você culpe aquela pessoa pela sua insatisfação e acabe descontando nela a frustração. Uma situação que poderia ter sido evitada definindo limites saudáveis ​​desde o início.

    - Insatisfação e estresse. Ceder continuamente às exigências dos outros gera enorme estresse. Esses novos compromissos e responsabilidades aumentam a tensão, o que acabará gerando profunda insatisfação pessoal, pois suas necessidades permanecerão insatisfeitas. Por se preocupar tanto com os outros, você acabará se esquecendo de si mesmo.

    Aprenda a dizer "não" de forma assertiva

    Brené Brown, uma assistente social que passou uma década estudando a vergonha, a vulnerabilidade e a compaixão, fez uma descoberta incrível: as pessoas mais compassivas também são aquelas que mais estabelecem limites. Isso contrasta com a crença popular de que pessoas compassivas são aquelas que estão sempre dispostas a ajudar e traçam um perfil psicológico diferente.


    Brown afirma que “a sustentabilidade de dar e amar sem cair no ressentimento e na amargura só pode vir de um sentimento de abundância pessoal. E essa abundância pessoal não existirá sem limites.

    “Quando não estabelecemos limites ou os respeitamos, nos sentimos manipulados e usados. Portanto, atacamos as pessoas que responsabilizamos, em vez de abordar seu comportamento.

    "Achamos difícil entender que podemos ser compassivos e aceitar essas pessoas, enquanto as responsabilizamos por seus comportamentos."

    Em seu discurso há vários pontos importantes que devemos fazer nossos para aprender a dizer "não":

    - Suponha que estabelecer limites não significa ser rude, agressivo, egoísta ou insensível. Definir limites é, fundamentalmente, um ato de autocompaixão e autodeterminação, porque envolve estar ciente de nossas necessidades e direitos. Precisamos entender que o amor e o respeito pelos outros começam com amor próprio e respeito próprio.


    - Defina os limites. Talvez assuma certos compromissos e responsabilidades porque não tem consciência das suas limitações, pensa que pode fazer tudo, que pode fazer a sua parte e a dos outros, mesmo que na realidade não seja assim. Para evitar esse "erro de cálculo", antes de definir limites em seu relacionamento com os outros, você deve definir limites para si mesmo. Esses limites permitirão que você evite comportamentos que o prejudiquem, de modo que não exija muito de si mesmo. Seja honesto consigo mesmo e determine o que você pode e não pode fazer e também o que não deseja fazer.

    - Esteja ciente de suas necessidades. Você tem o direito de atender às suas necessidades como os outros, o que significa que não precisa permitir que eles lhe ditem o que você pode fazer com seu tempo e a que precisa dedicar sua energia. Priorizar a si mesmo não é pecado. Com base nas suas necessidades, determine quanto, como, onde e em que medida você pode ajudar.

    - Tire um tempo para pensar. Você não precisa dar um passo para trás para aprender a dizer não. Estabelecer uma distância psicológica permitirá que você pese os prós e os contras do compromisso que está prestes a assumir. Portanto, quando alguém lhe pedir algo que exija muito esforço, não responda imediatamente, diga que você precisa de um tempo para refletir sobre o assunto. Dessa forma, você não se armará numa armadilha e, se concluir que não pode fazer o que eles lhe pedem, não terá dado sua palavra.

    - Concentre-se no que você desiste. É muito difícil permanecer firme dentro dos limites que você estabeleceu quando uma parte de você pensa que ajudar essa pessoa é a "coisa certa" a fazer, quando uma parte de você está lhe dizendo que você é uma "pessoa má" porque você pense apenas em si mesmo. Para contrariar esse pensamento, você precisa se concentrar no que terá de sacrificar, nas coisas de que terá de desistir ao dizer "sim".

    - “Ajudar” nem sempre ajuda. Facilitar a vida de outras pessoas nem sempre ajuda. Às vezes pensamos que salvar os outros problemas, dificuldades e conflitos é positivo e “certo”, mas assim também podemos tirar uma oportunidade de crescimento. Ao evitar que essa pessoa enfrente os problemas da vida, também podemos estar impedindo que ela desenvolva sua resiliência.

    A chave está em equilíbrio. Ter consciência de que há um momento para dizer sim e outro para dizer não. A filósofa Ayn Rand nos lembra que “o princípio de que quem está em situação de emergência deve ser socorrido não pode se estender a ponto de considerar que todo sofrimento humano é uma emergência e transformar o infortúnio de alguns em emergência. Hipoteca sobre nossa vida”.

     

    Adicione um comentário do Você sempre diz "sim" quando quer dizer "não"
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.