close
    search Buscar

    Técnica do tomate: mais produtiva com um método simples e poderoso

    Quem sou
    Joe Dispenza
    @joedispenza
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    La Técnica de tomate é um método de gerenciamento de produtividade e tempo desenvolvido no final dos anos 80 pelo ítalo-americano Francesco Cirillo.

    Seu nome deriva daqueles tiquetaqueando cronômetros de cozinha em forma de tomate.

    Apesar de seu poder, a técnica do tomate tem um problema: o fato de ser tão simples leva muitas pessoas a subestimá-la ou desconsiderá-la.

    O marketing nos leva a pensar que as soluções para os problemas devem ser necessariamente complexas, caras e articuladas.



    Quando, por outro lado, como já se viu no blog por exemplo sobre a lista de afazeres ou o diário de bordo, no domínio da produtividade pessoal, um equipamento de 10 euros e alguns gatilhos mentais bastam para transformar um procrastinador crônico em uma máquina de guerra.

    Se procura algo que aumente a concentração com que estuda e trabalha e que o mantenha colado à sua secretária mesmo quando tem pouca vontade, a técnica Pomodoro é a ferramenta certa para si.

    Hoje vou te dizer:

    • Como funciona
    • Porquê funciona
    • quando você tem que usar isso
    • Quando, em vez disso, NÃO você tem que usar.

    Como funciona a técnica do tomate

    Bem, em primeiro lugar, você deve ter a ferramenta fundamental: o tomate.

    Se você não tem um daqueles tomates cozidos com cronômetro, baixe um dos muitos aplicativos gratuitos que o simulam.

    Assim que tiver o cronômetro, para aplicar a técnica do tomate você só precisa seguir estes regras muito simples: 

    1. Faça uma lista das atividades que você precisa fazer
    2. Divida-os em frações de cerca de 25 minutos
    3. Defina o tomate para 25 minutos e escolha uma atividade
    4. Trabalhe na atividade por 25 minutos, sem se distrair ou distrair
    5. Quando o tomate tocar, coloque um X em um pedaço de papel, ao lado do nome da atividade finalizada.
    6. Faça uma pausa de 5 minutos e recomece com outro tomate e outra atividade.
    7. A cada 4 tomates, faça uma pausa mais longa (15-30 minutos)
    8. Se você se distrair ou for interrompido, o tomate é inválido

    Simples, não é?



    Então, vamos ver por que ele é tão eficaz.

    Por que a técnica do tomate funciona

    Ao usar a técnica Pomodoro, o início e a conclusão de uma tarefa eles nunca são deixados ao acaso, mas eles seguem um padrão preciso.

    Per esempio:

    • você começa quando liga o cronômetro, termina quando o tomate toca
    • você não gasta mais ou menos tempo na atividade dependendo do seu humor
    • você não permite que nada nem ninguém te distraia
    • você descansa quando e conforme estabelecido, não como e quando se trata de você.

    Isso faz com que o genérico “estudar / trabalhar para 4 horas"E o específico"Eu faço 8 tomates”, O tempo que você precisa é o mesmo, mas há um grande diferença nos resultados.

    Diferença que depende de 4 razões principais:

    # 1 A técnica do tomate torna você um mestre em planejamento

    A maioria das pessoas tende a trabalhar de improviso, com pouco ou nenhum planejamento.

    Ou seja, todos os dias eles iniciam suas atividades sem ter estabelecido claramente o que precisa ser feito e quando.

    Bem como, como digo no artigo sobre a lei de Parkinson, "O trabalho se expande para ocupar todo o tempo disponível"

    Isso não acontece quando você usa a técnica do tomate:

    De fato:

    • Primeiro, ter que dividir seu trabalho em tomates, você é forçado a estimar as dificuldades a priori e os tempos necessários, dando a você objetivos e limites.
    • Então, como cada tomate é dedicado para uma e apenas uma atividade, aumente seu foco mental evitando multitarefa.
    • Finalmente, por meio da comparação constante entre tomates valorizados para fazer uma atividade ei resultados alcançados, você se torna cada vez mais proficiente em suas estimativas.

    Além disso, quando você usa a técnica do tomate, você encontra um ver as coisas de maneira completamente diferente.



    Muitos dos meus alunos me escrevem coisas como:

    “Hoje eu faço 5 tomates de direito privado"

    "Eu sinto falta deles 2 tomates no final do livro ",

    “Para aprender antibióticos beta-lactâmicos, é preciso pelo menos 100 tomatesEu "

    Em suma, eles se acostumaram a compartilhar o que eles têm que fazer em unidades discretas, sempre as mesmas, e que, por definição, são seguidas por um intervalo de 5 minutos. Em suma, em tomates.

    E além disso, eles têm um nome bastante cativante de afetar positivamente sua atitude psicológica.

    Porque é mais fácil dizer a si mesmo "Eu sento e faço um tomate" do que "Eu sento e estudo a classificação das penicilinas".

    Além disso, outra vantagem psicológica, não existem tomates mais fáceis ou tomates mais difíceis: cada tomate é igual a si mesmo.

    Porque sua substância é, em última análise, 25 minutos de atenção incondicional que você dedica a algo, seguido de 5 minutos de descanso.

    # 2 A técnica do tomate melhora sua força de vontade

    No artigo Por que as resoluções de ano novo falham, destaquei os dois erros que elas cometem pouca força de vontade:

    • Foco em metas muito grande
    • Focar em muitos gols tutti insieme

    E também citei a frase mítica Zen:

    "Como você come um elefante? Uma mordida de cada vez "


    Deste ponto de vista, a técnica do tomate é ideal quando você está em um período de indisposição para estudar.

    Porque um tomate de 25 minutos é algo que simultaneamente:

    • é bem pequeno para ser tolerado por nossa força de vontade
    • é grande o suficiente para permitir a realização de uma atividade mínima significativa

    Em suma, um tomate de 25 minutos é um mordida ideal. 


    E a soma de muitas mordidas de tamanho ideal faz você comer seu elefante rapidamente e sem que fique no estômago.

    # 3 A técnica do tomate melhora o seu foco

    A técnica do tomate favorece a concentração por diversos motivos, intrínsecos às regras da própria técnica:

    • Quando você aplica a técnica do tomate, cada tomate deve ser dedicado para uma e apenas uma atividade.
    • Se algum pensamento vier para distraí-lo, você só tem permissão pare por um momento para marcá-lo em um pedaço de papel.
    • Se alguém te interromper o tomate não é mais válido, então o telefone e a internet estão desligados durante o tomate

    Mas há um aspecto esquecido por muitos e que é muito importante para mim:

    O maldito tique-taque do cronômetro.

    Pode ser irritante no começo. E, se você simplesmente não tolerar isso, pode escolher tomates ou aplicativos onde pode suprimi-lo.

    Mas eu te aconselho a tentar aguentar isso.

    Depois de um tempo, de fato, você já não percebe mais, mas ajuda de uma forma quase hipnótica a descer a um estado de maior concentração. Pelo menos, é o que acontece comigo e com muitos outros.

    # 4 A técnica do tomate fortalece a formação de hábitos

    No meu livro O Kata da Vontade, explico, em toda parte, como construir uma vontade de aço.

    Mas um dos pontos essenciais é muito simples: quando algo se torna um hábito, mesmo que não seja uma atividade particularmente agradável, nos custa pouco esforço de vontade, e, portanto, é mais fácil de fazer.

    Mas como um hábito é formado?

    Conforme explico no livro e no artigo Como mudar hábitos e se transformar, um hábito é formado por meio da repetição do loop:

    • estímulo
    • ação
    • recompensa

    Imagine então tomar na sua mão o tomate que você comprou, girá-lo cerca de meia volta para carregá-lo, e então comece a estudar.

    Você já está acostumado com seu tique-taque, o que não te incomoda em nada, pelo contrário, te acompanha com seu ritmo.

    O tempo passa quase sem você perceber, e quando o tomate de repente começa a vibrar, você sabe ao mesmo tempo:

    • que você acabou de outro tomate. Wow!
    • que você tem que escrever o fim do tomate em seu caderno
    • que você tenha uma pausa de 5 minutos para se distrair e relaxar

    Quando penso nessa sequência, meus conhecimentos de psicologia comportamental me levam a refletir sobre o fato de que a técnica do tomate é, acima de tudo, um ritual, completo com:

    • estímulo inicial (iniciando o tomate)
    • ação (os próximos 25 minutos de atividade)
    • pequena gratificação final (pausa + anotação de tomate acabado)

    E, como tal, é capaz de fortalecer o seu hábito de fazer tomates ao mesmo tempo que se mantém concentrado ao máximo.

    O que fazer no intervalo de 5 minutos?

    O intervalo de 5 minutos é tão importante quanto a atividade de 25 minutos.

    Segundo Francesco Cirillo, inventor da técnica, deve-se evitar qualquer atividade que requeira esforço mental nesses 5 minutos.

    Se paragoniamo a técnica do tomate para um circuito de exercícios na academia, o intervalo de 5 minutos é a atividade de 25 minutos, já que o alongamento muscular é o exercício sob estresse.

    Primeiro, então, levante-se da mesa e vá embora.

    Assim você vai combinar distanciamento mental e físico do trabalho.

    Como você passa muito tempo sentado enquanto estuda ou trabalha, recomendo que faça uma atividade física leve.

    Como caminhar ou tentar algumas poses simples de ioga.

    Massagear o pescoço e os ombros enquanto respira fundo também é bom, pois libera a tensão antes do próximo tomate.

    A ideia é a de deixe seu sangue circular um pouco, estique as pernas e costas e relaxe.

    Portanto, evite correr para o Facebook ou e-mails. Em vez disso, dedique um tomate inteiro a este tipo de atividade, para que eles também tenham um começo e um fim e, por distração, também passem a fazer parte do seu planejamento diário.

    Quando usar a técnica do tomate

    Francesco Cirillo inventou a técnica para melhorar suas performances no estúdio.

    Porém, tenho muitos leitores que o utilizam com sucesso também no local de trabalho, nos treinamentos e até para administrar o tempo livre.

    Como mencionado anteriormente, até mesmo atividades de enchimento / lazer / distração, como estar nas redes sociais, podem ser gerenciadas melhor se enquadradas em um ou mais tomates.

    Desta maneira você vai dedicar o tempo que decidir dedicar a eles, e você não se empolgará como costuma acontecer.

    No entanto, existem situações em que a técnica do tomate pode não ser a melhor escolha.

    Técnica do tomate: quando NÃO usá-lo

    A maioria das pessoas aborda o estudo, o trabalho, os compromissos de uma maneira muito mal estruturado.

    E certamente acontece com você também, muitas vezes, se encontrar sentado em sua mesa, mas distraído, sem objetivos claros e tendo pouco ou nenhum planejamento.

    A técnica do tomate torna você mais produtivo porque é uma ferramenta simples e intuitiva que:

    • Faz você planejar
    • Faz você se concentrar
    • Isso ajuda você a não se distrair
    • Recompensa você
    • Faz você acompanhar o andamento do seu trabalho (em termos de quantidade de tomates)
    • Ajuda a estruturar suas atividades em hábitos, diminuindo a força de vontade necessária para realizá-las
    • Faz você descansar em intervalos regulares

    Em suma, como dissemos, isso faz com que você gerenciar bem o tempo de estudo.

    Porém, mesmo a técnica do tomate tem seus limites, que além do mais eles são o outro lado de suas virtudes.

    Agilidade e profundidade mental

    Como as atividades são divididas em blocos de 25 minutos, a técnica Pomodoro é ideal para as atividades em que são principalmente necessários agilidade e velocidade mental.

    Mas é ao invés baixo quando se trata de fazer atividades envolvendo o profundidade mental. Ou seja, exigem muita reflexão e criatividade.

    Para este último, de fato, o o cérebro precisa de tempo para mergulhar totalmente neles, e só então é capaz de dar o seu melhor.

    Acho que um bom exemplo prático do que quero dizer pode ser encontrado nos estúdios.

    Quando se estuda, existem atividades como leitura rápida e leitura rápida que são ideais para a técnica Pomodoro. Bem como armazenamento de dados, com ou sem técnicas de memória.

    Enquanto quando você tem que:

    • Entender algo realmente difícil
    • Desenvolva sua própria teoria
    • Estabeleça conexões profundas entre elementos de conhecimento aparentemente muito distantes
    • Resolvendo problemas complexos

    Pois bem, então a técnica do tomate não é a mais adequada.

    Na verdade, há uma parte do estudo onde você tem que ir até o fundo e mergulhar completamente.

    Esta parte normalmente é pequeno em comparação com as horas para se dedicar a tudo o mais que você precisa estudar.

    Mas também é

    • mais interessante, relacionando-se melhor com dimensões como inspiração, autoestima e motivação.
    • mais difícil conceitualmente, já que ele sai da rotina de estudar para entrar na dimensão de "pensar"

    Para essas atividades de estudo pequenas, mas complexas, onde é necessário fazer reflexões profundas e processamento de dados, o método ideal é exatamente o oposto do corte que você faz com o tomate.

    O método ideal é, na verdade, em minha opinião, o chamado Trabalho Profundo, teorizado por Cal Newport em seu best-seller.

    Esse é oimersão total, sem interrupções, buscando os limites da profundidade do pensamento.

    A mesma coisa acontece em muitas áreas.

    Por exemplo, quando escrevo:

    • Eu uso tomates apenas para colocar no papel algo que já conheço bem.
    • em vez disso, preciso de longas horas consecutivas de reflexão se tenho que dar à luz e analisar novas ideias.

    Com um trabalho profundo, em resumo, você vai mais devagar, mas muito mais longe.

    Adicione um comentário a partir de Técnica do tomate: mais produtiva com um método simples e poderoso
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.