close
    search Buscar

    Síndrome do pica-pau: pessoas que criam um ciclo vicioso de discussões tóxicas

    Quem sou
    Robert Maurer
    @robertmaurer
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    Temos a tendência de considerar a perseverança uma virtude, um valor que nossa sociedade exalta. Mas perseverar nem sempre é bom. Há um tempo para suportar e um tempo para desistir. Pessoas que sofrem de "síndrome do pica-pau" não sabem exatamente quando é hora de parar e sair de uma situação, por isso continuam insistindo.

    O que é a síndrome do pica-pau?

    A síndrome do pica-pau é a tendência de perseverar em uma ideia, embora isso não leve a um diálogo construtivo, de acordo com a psicóloga Nadia Persun, da Universidade de Chicago. Ocorre quando uma pessoa não está disposta a ceder, o que produz um ciclo vicioso de discussões tóxicas em que os mesmos argumentos são repetidos indefinidamente, sem qualquer progresso.



    Esse estilo de comunicação acaba gerando um círculo vicioso tóxico em que ninguém ganha. As ideias se repetem indefinidamente. Nada está resolvido. O problema continua a crescer e o relacionamento se deteriora cada vez mais. Como resultado, as pessoas envolvidas acabam se exaurindo e se afastando.

    Como detectar a síndrome do pica-pau?

    1. A pessoa teimosa se apega a seu argumento, como se sua vida dependesse disso.

    2. Ele não aceita razões ou evidências contra seu ponto de vista, mesmo que isso mostre que ele está errado.

    3. A pessoa repete o mesmo assunto continuamente, como se fosse um pica-pau, perfurando o crânio de seu interlocutor, na esperança de que suas idéias encontrem o seu caminho.

    4. A pessoa não desiste, portanto, aproveite a menor oportunidade para retomar seu tópico recorrente.

    5. A sensibilidade em relação ao outro diminui, perdendo-se, portanto, a conexão e a possibilidade de estruturar a fala de forma adaptativa de acordo com as respostas do interlocutor.



    A verdade é que “uma mistura de boas intenções distorcidas e justiça pessoal, carregada de raiva e repetição, não produz uma forma saudável de comunicação. Os picos são persistentes, críticos e persistentes do ponto de vista deles. Eles tendem a culpar os outros, não ouvem e repetem com entusiasmo o mesmo argumento porque seu objetivo não é se comunicar, mas vencer a todo custo, o que leva a comprometer a confiança e perder toda a esperança de realmente se conectar e ouvir. ”, Como Persun aponta.

    Como as pessoas se sentem marteladas por um "pica-pau"?

    As pessoas que lidam com alguém com a síndrome do pica-pau costumam se sentir extremamente frustradas. Eles primeiro tentam encontrar todos os tipos de argumentos para explicar seu ponto de vista, mas quando percebem que é inútil, geralmente acabam se desconectando emocionalmente, usando o escudo do silêncio e da indiferença.

    Essas pessoas muitas vezes se sentem presas em um beco sem saída, então também podem desenvolver o desamparo aprendido. Simplesmente desistem e, para evitar conflitos, cedem à discussão do outro, mesmo que discordem e não seja uma boa ideia.

    Como evitar a síndrome do pica-pau?

    Todos nós podemos, às vezes, nos comportar como "picos". Nós nos comportamos assim quando ficamos muito apegados às nossas idéias e o desejo de conquistar o diálogo prevalece em nós. Para desativar este “modo” devemos perceber que o mais importante é chegar a uma solução, priorizando o entendimento. Quando priorizamos a solução em vez da discussão, podemos ir além e estar dispostos a aceitar ideias melhores, de onde quer que venham.


    Devemos também ter em mente que às vezes, para avançar, temos que voltar. Se uma pessoa for teimosa demais para avançar no diálogo, será melhor parar. Às vezes, quando o assunto não é importante, nem é essencial estar certo. Às vezes é melhor escolher o relacionamento do que estar certo.


    Adicione um comentário a partir de Síndrome do pica-pau: pessoas que criam um ciclo vicioso de discussões tóxicas
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.