Querer mais: obcecado com a ideia do melhor a todo custo

Querer mais: obcecado com a ideia do melhor a todo custo

- Recentemente conheci um homem que tinha um grande e bem sucedido negócio, seu estilo de vida era incrível, ele era casado e feliz e tinha muitos amigos que fariam qualquer coisa por ele. No entanto, fixando-me com um olhar muito sério, ele me disse que deveria contratar um treinador para ajudá-lo a "chegar ao próximo nível".

Espantado, perguntei a ele qual era o próximo nível.


Ele respondeu que não estava claro para ele, é que por isso precisava de um treinador que lhe mostrasse suas fraquezas e o que ele estava perdendo na vida.


Era evidente que aquele homem estava disposto a gastar muito dinheiro para resolver um problema que ele nem sabia o que era.

- Ah! E ... e se não houver nada para resolver? - perguntei a ele - O que você quer dizer? - Ele perguntou-me.

- O que acontece se n√£o houver um ‚Äúpr√≥ximo n√≠vel‚ÄĚ? E se for apenas uma ideia que voc√™ tem em mente? E se voc√™ j√° estiver nesse n√≠vel, mas ainda n√£o perceber isso e insistir em buscar constantemente outra coisa, um objetivo evasivo? E se voc√™ se recusar a aproveitar o que j√° tem? "

O homem ficou irritado com essas perguntas. Era evidente que ele n√£o os havia considerado. Finalmente ele disse:

- Eu sinto que sempre há algo para melhorar, aconteça o que acontecer e você conquista o que você conquista.

E encerrou a discuss√£o aqui.

Essa história, contada pelo repórter Mark Manson, pode ser um problema que afeta a todos nós. E se estivermos sofrendo da doença de "querer mais"?

A doença de "querer mais"

Pat Riley, um famoso gerente de basquete da NBA, disse que a queda do Lakers após sua passagem e glória na década de 80 foi devido ao fato de os jogadores se concentrarem demais em si mesmos e quererem mais e mais.



Vale lembrar que no come√ßo os jogadores queriam apenas vencer o campeonato, mas uma vez que se tornaram campe√Ķes isso n√£o foi suficiente. Seu foco mudou para outras coisas: ganhar mais dinheiro, fazer mais comerciais de TV, obter mais apoio e elogios, jogar mais jogos, mais aten√ß√£o da m√≠dia e muito tempo e assim por diante.

Como resultado, o que antes era um grupo coeso começou a se desgastar. Quando a Doença de Mais chegou, como o gerente a chamou, a química perfeita da equipe se transformou em um desastre tóxico.

N√£o √© a primeira equipa desportiva a passar por esta situa√ß√£o e tamb√©m n√£o ser√° a √ļltima. Mas a quest√£o √© que todos n√≥s podemos sofrer da doen√ßa de "querer mais" e ficar presos no labirinto de insatisfa√ß√£o constru√≠do por n√≥s mesmos.

O "mais" nem sempre é melhor

Ao longo da história da psicologia, os psicólogos se concentraram em analisar o que causa problemas mentais. Seu interesse pela felicidade é muito recente. Um dos primeiros estudos nesta área foi uma pesquisa simples em que os participantes tiveram que responder a duas perguntas:

1) Em uma escala de 1 a 10, quão feliz você se sente agora?

2) O que aconteceu que causou esses sentimentos?

Ed Diener, psic√≥logo da Universidade de Utah, coletou milhares de avalia√ß√Ķes de centenas de pessoas de todas as esferas da vida. Descobriu assim um fen√īmeno surpreendente e, em certo sentido, bastante enfadonho.

Quase todo mundo relatou 7 na maioria das vezes.

Na loja para fazer as compras. Sete. No jogo de futebol do meu filho. Sete. Conversando com o chefe sobre uma venda. Sete.


Mesmo quando surgiam grandes problemas, os níveis de felicidade caíam na faixa de 2 a 5, mas por curtos períodos de tempo, e então aumentavam rapidamente de novo.


O mesmo aconteceu com eventos muito positivos, como ganhar na loteria, sair de f√©rias ou at√© mesmo se casar, as avalia√ß√Ķes subiram r√°pido, mas apenas por um curto per√≠odo de tempo para voltar a se estabilizar no n√ļmero 7.

Esses resultados mostram que ninguém está completamente feliz na maioria das vezes, mas também não está completamente infeliz. Parece que pensamos constantemente que as coisas estão indo bem, mas que poderiam ser muito melhores.

Essa constante de 7, à qual sempre voltamos, nos deixa uma armadilha mortal porque nos diz: "Se você pudesse ter um pouco mais poderia chegar a 10 e ficar com ele."

Dessa forma, vivemos grande parte de nossa vida perseguindo os t√£o almejados 10. Acreditamos que seremos mais felizes quando tivermos aquele emprego ideal, quando comprarmos a casa nova, quando sairmos de f√©rias para aquele lugar, quando encontrarmos uma alma g√™mea ... O problema √© que sempre existe esse ‚Äúmais‚ÄĚ. Queremos mais e mais.

Na psicologia, a busca constante do prazer √© chamada de ‚Äúrotina hed√īnica‚ÄĚ, o que significa que estamos constantemente lutando para ter uma ‚Äúvida melhor‚ÄĚ, mas no final a √ļnica coisa que conseguimos √© gastar muita energia para voltar sempre para o mesmo ponto: o 7.


Isso significa que devemos sentar com os braços cruzados e não fazer nada?

Não, significa que podemos nos sentir felizes aqui e agora e chegar a 10, porque não temos que condicioná-lo às coisas ou objetivos que podemos ter ou alcançar. Sempre há espaço para melhorias, mas não é necessário adiar nossa felicidade condicionando-a ao que podemos ou não podemos alcançar no futuro.

Afinal, na vida, não se trata apenas de melhorar continuamente, ter sempre mais e sempre ir mais longe. Em algum ponto, a vida se torna principalmente um jogo de compensação. Quando alcançamos um determinado nível, ir além dele pode significar gastar muito tempo e energia em coisas que não farão realmente diferença e não nos aproximarão daquele 10 tão sonhado, mas nos manterão em um 7.


Portanto, tente não viver a vida como se fosse uma lista de tarefas ou uma montanha para escalar. A vida é antes um jogo de compensação em que temos que escolher o que estamos dispostos a dar para obter outra descarga de adrenalina, outra jornada, outro sucesso ...

 

Adicione um coment√°rio do Querer mais: obcecado com a ideia do melhor a todo custo
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.