Por que o tempo nunca é suficiente para você? É culpa da "Lei de Parkinson"

Quem sou
Robert Maurer
@robertmaurer
FONTES CONSULTADAS:

wikipedia.org

Autor e referências

Quanto tempo você precisa para embalar? Todo o tempo que você tem. Nem mais nem menos. Se tiver pouco tempo, o fará em poucos minutos; se tiver mais tempo, uma hora ou mais. A culpa é da “Lei de Parkinson”, aplicada à gestão do tempo.

Muitas pessoas, mergulhadas no cerne da cultura da produtividade ou hiperatividade, não têm prazer em ficar inativas, é "divertido" e "interessante" para elas ter sempre muito o que fazer, para que nunca tenham tempo livre.



Aqui entra em jogo a "Lei de Parkinson", que se baseia em três ideias:

- A obra se estende para ocupar todo o tempo disponível

- As despesas aumentam até que todos os lucros sejam cobertos

- O tempo dedicado a cada atividade diária é inversamente proporcional à importância da mesma

Parece familiar para você?

Como nasceu a Lei de Parkinson?

Cyril Northcote Parkinson foi um historiador naval britânico e observador astuto da administração pública e do sistema de gestão. Parkinson percebeu que, como o império ultramarino britânico estava em declínio e tinha menos colônias para administrar, o número de funcionários aumentava. A cada ano, entre 5 e 7% mais funcionários eram incorporados, ainda que a papelada diminuísse objetivamente.

Foi uma contradição. Então, Parkinson se perguntou o que estava acontecendo. Compreendeu então que o trabalho se expande ao ocupar todo o tempo e recursos disponíveis, independentemente das horas reais necessárias e da importância objetiva das atividades. E ele provou isso com fórmulas matemáticas e dados estatísticos.

Claro, sua teoria não se limita apenas ao funcionamento das administrações públicas, mas também se aplica ao nosso dia a dia. Podemos nos tornar verdadeiros especialistas na aplicação da Lei de Parkinson em nossa vida diária.



Estender atividades consome não apenas seu tempo, mas também sua energia

De acordo com a Lei de Parkinson, se você se dá uma semana para concluir um trabalho que leva apenas um dia, a tarefa aumentará em complexidade para preencher o tempo livre. E o que é ainda pior: essa atividade vai se transformar em um buraco negro que absorve não só o seu tempo, mas também a sua energia. A atividade vai gerar estresse e ansiedade, tornando-se exaustiva.

Claro, não é o negócio em si que fica complicado, mas a maneira como o abordamos e o gerenciamos. O problema é que quanto mais tempo tivermos, mais adiaremos. Hoje faremos uma pequena parte e deixaremos outra pequena parte para amanhã.

Quando nos encontramos nesta situação, não percebemos que o que mais nos estressa não é simplesmente realizar as atividades, mas sim as atividades inacabadas, a lembrança constante do que temos pela frente. Refletir constantemente sobre essa agenda mental é psicologicamente exaustivo.

Na raiz dessa armadilha que tendemos a nós mesmos está a crença de que temos que "trabalhar duro". Tivemos a péssima ideia de que quanto mais gastamos fazendo algo, mais valor isso teria. Claro, nem sempre é esse o caso. Mas eles não nos ensinaram a "trabalhar de forma inteligente e eficiente".

Lei de Parkinson e paralisia de decisão na vida cotidiana

- O que você quer fazer?

- Não sei o que você quer fazer?

- E se formos ao cinema?

- Ei, eu só estava pensando que poderíamos ir para X, Y, Z ...?


- Como preferir.

- Não, como você gosta.

E assim a conversa se prolonga por mais de meia hora, ou o tempo que temos à disposição para escolher o assento. É o que é conhecido em psicologia como “paralisia da decisão” e ocorre quando temos tantas opções à nossa disposição que caímos no “cansaço da decisão”.


Um estudo muito interessante realizado na Universidade de Columbia analisou o que acontece quando em uma mercearia podemos escolher entre 6 ou 24 geleias diferentes. Os resultados foram surpreendentes: não só demoramos muito mais para escolher quando temos tantas possibilidades, mas também ficamos literalmente paralisados. No experimento, 30% dos clientes acabaram comprando uma das seis geléias, mas apenas 3% das pessoas que podiam escolher entre 24 tipos diferentes de geléia compraram uma. Poder escolher entre tantas possibilidades nos consome mentalmente, dificulta a decisão e acaba nos paralisando.

Esse fenômeno está profundamente ligado à Lei de Parkinson, sendo um dos principais motivos pelos quais não terminamos as atividades, mas as alongamos o máximo possível. No caso da mala, sabemos que temos que enchê-la, mas é difícil escolher o que vestir entre tantas coisas. Isso nos leva a procrastinar.

Gerenciamento do tempo: como evitar a lei de Parkinson?

Psicólogos do Instituto Americano de Pesquisa em Washington testaram a Lei de Parkinson. Eles recrutaram um grupo de pessoas para analisar como o limite de tempo afetaria sua eficácia.

Nos três primeiros testes, os participantes tiveram o dobro do tempo necessário para concluir uma tarefa, enquanto outro grupo de pessoas apenas teve o tempo certo. Em outro experimento, eles pediram a alguns para trabalharem rápido e outros para "trabalharem o mais rápido possível". O que aconteceu?


Esses psicólogos descobriram que, quando temos muito tempo para terminar uma tarefa, usamos tudo, mesmo que possamos terminar mais cedo. Mas eles também viram que o nível de eficácia dependerá dos objetivos que estabelecemos para nós mesmos. As pessoas que foram solicitadas a trabalhar o mais rápido possível terminaram primeiro e não cometeram mais erros do que aquelas que foram orientadas a trabalhar rápido.


- Estabeleça metas realistas. Este experimento nos mostra que o principal antídoto para a Lei de Parkinson é estabelecer metas realistas. Uma boa gestão do tempo parece ser capaz de estimar objetivamente o tempo que precisamos para realizar uma tarefa e trabalhar com base nisso.

- Priorizar as atividades mais importantes. Temos dezenas de atividades para fazer todos os dias. Devemos aprender a identificar as tarefas menos importantes em nossa agenda porque são aquelas que tendem a se expandir e ocupar todo o nosso tempo. Portanto, precisamos ser muito claros sobre nossas prioridades diárias, para devotar mais tempo a isso.

- Procure incentivos para terminar primeiro. Não somos robôs, então estabelecer um limite de tempo e saber quais são nossas prioridades não garante 100% que estaremos livres da procrastinação. Outra ajuda é nos dar pequenas recompensas se terminarmos mais cedo. Isso nos ajudará a manter o foco e a motivação.

- Apenas aja. Para evitar a paralisia das decisões, a melhor coisa a fazer é reduzir suas opções. Se você quiser fazer uma viagem, por exemplo, comece limitando suas opções por área geográfica ou nível de tráfego. Depois de escolher, vá.

 

Adicione um comentário do Por que o tempo nunca é suficiente para você? É culpa da "Lei de Parkinson"
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.