Os preconceitos que nos afetam, como se formam os paradigmas?

Quem sou
Louise Hay
@louisehay
FONTES CONSULTADAS:

wikipedia.org

Autor e referências

Albert Einstein disse uma vez que "é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito". E é verdade, sobretudo porque muitas vezes não temos consciência do preconceito em questão, mas isso determina as nossas atitudes e comportamentos. Porque?

Preconceitos, crenças e costumes fazem parte de nossa visão de mundo, um paradigma por meio do qual analisamos diferentes situações e respondemos a elas. Os paradigmas tendem a ter relevância social; ou seja, eles contêm as experiências, crenças e valores compartilhados por um determinado grupo.



Obviamente, uma vez estabelecido é bastante difícil conseguir uma mudança de paradigma, pois é um sistema estável de valores e pensamentos construído ao longo de anos ou mesmo décadas. Cada paradigma é um conjunto de costumes que a pessoa deve seguir se deseja ser aceita em um determinado grupo. Freqüentemente, esses costumes não são explicados ou justificados, mas simplesmente transmitidos de geração em geração, e muitos os seguem sem entender por quê. Quando questionados sobre a origem e o motivo do comportamento, dizem simplesmente que "isso sempre foi feito".

Na verdade, o paradigma costuma ser uma "camisa de força" tão apertada que a maioria das pessoas nem mesmo se pergunta se as coisas poderiam ser feitas de outra maneira.

A origem do paradigma

 

Muitos dos costumes que mantemos hoje datam de vários séculos atrás, quando na verdade tinham um significado. Na época, esses comportamentos tinham lógica própria e respondiam ao pensamento atual. Tomemos as touradas como exemplo. Tudo remonta à Roma Antiga, quando os touros eram soltos nas arenas para que uma pessoa pertencente a uma família nobre pudesse mostrar sua coragem e habilidade de caçador.

O touro foi escolhido porque era o animal que normalmente era sacrificado para apaziguar os deuses, muito antes de a religião católica ser imposta, é claro. Além disso, esses programas também serviam para entreter a população e prevenir tumultos e, portanto, tinham um duplo propósito: religioso e político.



Essa tradição foi exportada para a antiga Hispânia (atual Espanha), onde a paixão pelas touradas foi fortalecida. Hoje os motivos que deram origem a este entretenimento já não existem e esta atividade não corresponde de forma alguma aos valores que fundaram grande parte da nossa sociedade, mas muitas pessoas ainda se apegam à tradição, mesmo sem saber como ela se originou.

Por que o paradigma permanece?

 

Em primeiro lugar, o paradigma é mantido porque o grupo atua como um agente repressor. Ou seja, as pessoas ao nosso redor seguem tradições e impõem algumas regras implícitas para que, se alguém não as seguir, fiquem isoladas. E como a maioria das pessoas acha difícil renegar o grupo, principalmente se for importante (como família, grupo de amigos, time favorito, religião, partido político, etc.), elas preferem se adaptar ao grupo. Paradigma e seguir os costumes impostos.

Além disso, há casos em que as pessoas internalizaram tanto essas tradições que elas se tornaram parte de sua identidade. Isso implica que, sem tradições, eles se sentiriam perdidos e seriam forçados a reconstruir uma parte de sua identidade. E esse processo pode ser doloroso, então eles preferem ficar em sua zona de conforto. Afinal, "sempre foi assim".

Uma curiosa experiência realizada no passado explica como nasce um paradigma. Você deve saber que alguns anos atrás alguns primatas foram capturados, então eles foram colocados em uma gaiola dentro da qual havia uma escada de madeira e pendurado no alto havia um cacho de bananas. Quando um dos macacos subiu a escada para alcançar as bananas, os outros que estavam no chão tomaram uma ducha gelada.


Após vários aguaceiros gelados, os macacos no chão começaram a ficar nervosos, e a partir desse momento o primeiro deles que se atreveu até a subir a escada foi atacado pelos outros que a espancaram fortemente, e este foi um aviso para todos os outros . Neste ponto, os pesquisadores substituíram o macaco maltratado por um novo, que obviamente não sabia de nada, e tentaram subir a escada imediatamente recebendo muitos golpes dos outros antes que a chuva fria caísse sobre eles.


Depois de um tempo, quando todos os macacos foram substituídos um após o outro e, portanto, nada sabiam de como a história começou, cada vez que um novo macaco era introduzido e se aproximava da escada era atacado por todos os outros, que mas não eram sabe porque. Simplesmente, cada recém-chegado repetia o que ela tinha visto todos os outros no grupo fazer. Assim nasceu um paradigma.


A moral da história é esta: nem sempre faz sentido fazer as coisas como sempre foram feitas.

As grandes mudanças sociais ocorreram quando um determinado grupo encontrou coragem para desafiar o paradigma vigente, propondo um novo modelo, quando teve a coragem de ir além dos hábitos. Porém, no nível pessoal, também é importante olhar para dentro e se perguntar se essa tradição, hábito ou forma de entender o mundo realmente faz sentido.

Algumas perguntas que irão guiá-lo:

- Sua visão de mundo te faz feliz?

- A sua visão da vida é sua ou foi imposta por quem está ao seu redor?


- Estereótipos e preconceitos muitas vezes causam problemas ou limitam seu
seu potencial?

- Esse comportamento é realmente eficaz?

Lembre-se sempre que às vezes, para avançar, é preciso parar, voltar e mudar algumas coisas.

Adicione um comentário do Os preconceitos que nos afetam, como se formam os paradigmas?
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.