close
    search Buscar

    O viés do talento e a desculpa "não sou bom"

    Quem sou
    Joe Dispenza
    @joedispenza
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    Quantos de nós acompanharam os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020? E quantas vezes, diante do desempenho dos melhores atletas do mundo, pensamos “Que talento”?

    O que então é a mesma coisa que pensamos quando vemos nosso jogador de futebol favorito que desmarca e vai chutar a gol ou nosso ídolo musical fazendo um solo de tirar o fôlego.

    É uma reação natural que eu chamo de "viés de talento".


    Deixe-me dizer o que é.


    Como (talvez) você saiba - se não é a ocasião certa para descobrir - os psicólogos definem "viés cognitivo" nossa propensão natural para interpretar a realidade aplicando uma série de distorções, desvios da racionalidade.

    Se, por um lado, os vieses representam uma forma real de adaptação do homem, que por meio de seus próprios esquemas mentais é capaz de dar uma interpretação rápida aos acontecimentos da realidade e consequentemente tomar decisões mais rapidamente, por outro é evidente que essas interpretações e decisões são muitas vezes distorcidas por preconceitos e, portanto, em graus variados, não são eficazes e limitante.

    Em particular, o preconceito do talento limita-nos porque nos oferece uma desculpa fácil: “Não é minha culpa, é que não tenho talento suficiente!”.

    O que eu quero fazer hoje, então, é dizer a verdade:  o talento é um dos conceitos mais superestimados da sociedade moderna.

    Não estou dizendo que seja inútil ou, pior, que não exista.

    Mas digo-lhe que, via de regra, atribui-se demasiada importância a ele em comparação com seu peso real no sucesso de uma pessoa.

    Mas vamos ver o que exatamente é talento e como funciona o viés resultante.


    O que é talento e por que o superestimamos

    Talento é definido em um dicionário conhecido como “propensão para algo, habilidade em uma atividade, em um setor”.


    E é inegável que cada um de nós nasce com a predisposição natural para algumas atividades, que muitas vezes - e por isso mesmo - também se tornam nossas favoritas.

    Nem todos, entretanto, são capazes de realmente tirar proveito dessas predisposições.

    Como vem?

    Se voltarmos aos grandes esportistas e, de maneira mais geral, às pessoas de grande sucesso, eles sempre têm um ingrediente a mais, além do talento, que os torna o que são.

    Este ingrediente não é outro senão o trabalho duro.

    Já falamos sobre isso sobre as pesquisas de Angela Duckworth e a equação da tenacidade:

    se uma aptidão particular para fazer algo não for canalizada para horas e horas de trabalho árduo, ela nunca se desenvolverá totalmente.

    Pense, por exemplo, na vida de um atleta de elite.

    Geralmente começa com uma infância e adolescência salpicada de treinos diários e constantes, enormes sacrifícios, horas e horas de suor enquanto os colegas se divertem, sem garantia de se tornar um campeão nos próximos anos.

    É um investimento em si mesmo.

    Talvez você comece percebendo que, em média, é melhor do que os outros em um determinado esporte. Digamos que comecemos com uma vantagem, uma propensão, um talento de fato.

    Mas tudo o que vem depois é suor, sacrifício, tenacidade, determinação.

    Se apenas um desses ingredientes falhar, todo o sistema entrará em colapso.

    E, de fato, temos dezenas de exemplos de campeões talentosos, mas absolutamente inconstantes. Estrelas que brilharam por algumas temporadas e depois desapareceram.



    Grandes promessas não cumpridas.

    Pelo contrário, quem vira estrela, sempre bate como um louco, por mais talento que tenha de dom.

    Quando li Open, o livro sobre a vida de Andrè Agassi que realmente recomendo a todos que leiam (um livro que na minha opinião fala sobre o crescimento pessoal nos rios, mas não se enquadra no gênero "crescimento pessoal"), fiquei simplesmente perplexo a vida a que Andrè foi submetido quando criança e menino.

    Seu pai havia feito à mão uma máquina de bolas para ele, de modo que as bolas de tênis fossem lançadas com mais violência do que o normal.

    Ele chamou essa engenhoca de "O Dragão", e o dragão jogou em média 2500 bolas nela todos os dias, porque "uma criança que acerta um milhão de bolas por ano será imbatível".

    E realmente foi.

    É claro que não estou interessado aqui em discutir os métodos educacionais do pai de Agassi.

    O que quero enfatizar, em vez disso, é que muitas vezes estamos acostumados a ver a apresentação final e não saber ou esquecer todo o trabalho por trás dela.

    Vamos ver o resultado e pensar que Andrè Agassi, Cristiano Ronaldo e tantos outros tiveram sorte porque são talentosos.

    E esse talento é o que permitiu que eles se tornassem ricos e famosos simplesmente fazendo o que gostam de fazer, no que são bons.

    Mas, como você deve ter adivinhado, esse não é exatamente o caso, e agora vamos ver por que é importante que você saiba


    Mas o que você pode aprender com essas histórias e linhas? 

    Nesse artigo fui influenciado pelas Olimpíadas que acabaram de terminar e me concentrei em campeões esportivos, citando também um casal que é estrela absoluta em suas modalidades.


    Mas você poderia me dizer "Mas o que tudo isso tem a ver comigo?"

    O fato é que, não só no esporte, mas na vida em geral, se você não dá o seu melhor, não é por falta de talento ou habilidade, mas por falta de vontade de se bater.

    Isso, se você pensar sobre isso, do ponto de vista psicológico é uma verdadeira libertação.

    Na verdade, significa que, à parte os casos em que nos atinge o azar, o que infelizmente sempre pode acontecer, nossos resultados não dependem de um dom obscuro dos deuses, mas da nossa tenacidade em persegui-los.

    É importante, então, prestar atenção a que o viés de talento não nos engane.

    Na verdade, nos faz fazer de boa vontade o que fazemos bem, mas também tende a nos comprometer abaixo do nosso potencial real.

    Por outro lado, precisamente porque fazemos algo bem, muitas vezes não sentimos necessidade de dar o nosso melhor.

    Ao mesmo tempo, o viés de talento também nos faz evitar como uma praga qualquer coisa para a qual não nos sintamos adequados.

    - Por que devo fazer algo pelo qual me sinto negado? - dizemos mais ou menos conscientemente para nós mesmos.

    Mas, lembre-se bem, isso é apenas uma desculpa.

    Não se trata de se tornar campeão mundial, mas sim de crescer e desenvolver realmente seu potencial.

    Costumo ouvir conhecidos que se expressam em inglês macarônico com a desculpa de que "não sou bom em línguas estrangeiras"

    Pessoas que vegetam entre o sofá e o carro, talvez acumulando quilos extras e problemas de saúde e a desculpa pontual seja "Não sou bom em esportes"

    Outros que ligam para o amigo, o primo, o vizinho para ter um app instalado no celular "Ah sabe, não sou muito tecnológico" ...

    Não sei em que campo você é bom e para qual campo você não tem nenhum talento, mas com certeza você sabe disso.

    Bom, melhora no primeiro e se aproxima do segundo de alguma forma.

    E comprometido, comprometido muito, porque isso vai fazer a diferença entre você e todos os outros que estarão assistindo convencidos de que, se eles não têm talento para aquilo, é melhor nem tentarmos.

    Nas pessoas normais, assim como nas que decidem dedicar a vida ao esporte ou à arte, o que faz a verdadeira diferença é a curiosidade contínua em aprender coisas novas, enfrentar seus problemas, ir além de seus preconceitos, não parar no face às dificuldades.

    Em uma frase, para não ser influenciado por seus próprios preconceitos.

    Portanto, se você realmente deseja obter grandes satisfações, seja qual for a área em que deseja obtê-las, lembre-se de que não obterá nada se não estiver disposto a colocar:

    • curiosidade: não importa se você parece não entender nada sobre isso. Não existe área do conhecimento que não mereça uma incursão, ainda que curta!
    • Tenacidade: são tempos difíceis, é verdade, mas com certeza a tenacidade é recompensada, sempre
    • Trabalho duro: não há receita mágica, sem o desejo e a perseverança de lutar nada se consegue. Nem com todo o talento do mundo.
    Adicione um comentário do O viés do talento e a desculpa "não sou bom"
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.