O quê, como e quando comer? Os autores do livro Dietasalute respondem

Quem sou
Louise Hay
@louisehay
FONTES CONSULTADAS:

wikipedia.org

Autor e referências

Toda interação com a comida é um momento fundamental para a nossa saúde e para o cuidado de nós mesmos, pois toda escolha alimentar afeta o corpo, o peso e o nosso bem-estar. A comida pode ser um verdadeiro "remédio".


Foto de cortesia

Partindo dessa suposição, Raffaella Cancello e Cecilia Invitti eles tentam fornecer-lhe o livro Dietasalute. Nutrição para perder peso, prevenir, ficar em forma (publicado por Sperling & Kupfer em colaboração com o Istituto Auxologico il seu país) uma bússola para mover-se no caos atual gerado por notícias falsas e teorias nutricionais de valor duvidoso, com objetivo de destacar todos as respostas científicas às dúvidas mais polêmicas e propondo um programa calibrado e seguro sem abrir mão do gosto e dos prazeres da mesa.


Dirigimos o vosso país aos autores, dois médicos do prestigioso Instituto Auxológico, centro de excelência no domínio do tratamento da obesidade, doenças metabólicas e afins, e aos co-autores Pierangelo Garzia, chefe da Assessoria de Imprensa do IRCCS Istituto Auxologico de seu país, e Edoardo Rosati, graduado em medicina e jornalista médico-científico, algumas dúvidas.


Aqui está o que eles responderam.

De onde surgiu a ideia de “Dietasalute. Nutrição para perder peso, prevenir, ficar em forma ”? Qual é o objetivo deste livro?

A ideia do livro surge da necessidade de contrariar os falsos mitos que circulam sobre as questões da alimentação e nutrição, infelizmente bem enraizados numa divulgação pouco controlada e por vezes incorreta.


As pesquisas na área de “dietética & nutrição” são extensas, há evidências consolidadas, outras incertas que ainda estão sendo trabalhadas. O livro, portanto, tem em alguns aspectos uma grande responsabilidade: fazer compreender ao grande público que a ciência da alimentação está em constante evolução e que deve ser atualizada a cada vez com base nas novas verdades que surgem dos estudos.

O livro não defende novas dietas "milagrosas". Não exalta os poderes "extraordinários" deste ou daquele alimento. Explica com uma simplicidade realista o que e sobretudo como comer à luz das mais modernas indicações científicas. O livro pretende, de uma vez por todas, devolver ao termo "dieta" seu significado antigo e autêntico ("estilo de vida") e difundir o conceito de que todos podemos comer qualitativamente e quantitativamente melhor casando-nos com uma dieta de tipo mediterrâneo, com frutas e vegetais sazonais, azeite virgem extra e grãos inteiros, peixes e leguminosas como fontes de proteína.

Longe das modas fáceis e falaciosas, queríamos reiterar que a nutrição é certamente um dos fatores mais controláveis ​​para nos garantir um bom estado de saúde. Comer é um ato cotidiano, que exige ciência e consciência, a começar pelo carrinho de compras. E certamente não podem ser os gurus da mídia improvisada do momento, sem qualificações científicas reconhecidas, que nos explicam como nos comportar à mesa.


Quais são as premissas em que se baseia o Programa Dietasalute a que se refere o livro? E em que consiste este programa resumidamente?

A dieta tem um grande impacto na saúde, por isso é essencial fornecer a todos as ferramentas para entender como a nutrição pode nos ajudar a eliminar o risco de desenvolver as doenças do nosso século (doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e câncer).


Uma análise do Global Burden of Disease Study publicado no Lancet (2019; 393; 10184, 1958-72) analisou o consumo de 15 alimentos principais em 195 países, mostrando que melhorar a qualidade da dieta pode potencialmente prevenir uma em cada cinco mortes. Na Europa Central, os principais comportamentos errôneos que comprometem a qualidade de vida são o consumo excessivo de sódio e carnes vermelhas, bem como o baixo consumo de leguminosas; em particular, 38% e 27% dos cânceres de cólon e faringe bucal são devidos ao que comemos, respectivamente. Uma alimentação saudável também afeta as escolhas de vida; significa que se é espontaneamente levado a reduzir o álcool, a cortar os laços com o maço de cigarros, a praticar regularmente uma dose saudável de atividade física, a curar a qualidade do sono e a cultivar as relações sociais. O Programa Dietasalute representa, portanto, um propósito de “salutogênese” - permita-nos esta nova palavra - que visa obter um estado de bem-estar geral.

O Programa Dietasalute se baseia fundamentalmente na quarta Revisão dos Níveis de Referência de Ingestão de Nutrientes e Energia para a população de seu país (LARN 2014) e nos padrões de atendimento à obesidade desenvolvidos em conjunto por especialistas e experts de duas importantes sociedades científicas nacionais : ADI (Associação de Dietética e Nutrição Clínica) e SIO (Sociedade para a obesidade no seu país). O objetivo é dividir sabiamente os alimentos ao longo do dia, satisfazendo a fome e o sabor de cada refeição com uma gama completa e equilibrada de todos os nutrientes. Tudo isso, é claro, em um contexto de vida fisicamente ativo, que também está de olho no controle do estresse e na higiene do sono.


Na sua opinião, quais são os falsos mitos / crenças que mais do que outros influenciaram negativamente a forma como comemos hoje?

Certamente, a crença de que carboidratos (= pão, macarrão, batata) sempre engordam. Ou que comer grandes quantidades de alimentos ricos em proteínas é a única maneira de perder peso. Por último, mas não menos importante, o fato de nossos genes serem totalmente responsáveis ​​pelo peso corporal, esquecendo que esse fator está em nossas mãos e depende muito de escolhas pessoais.


Quais são as "descobertas" mais curiosas e / ou interessantes que você teve a oportunidade de verificar ao escrever este livro?

Certamente o fato de termos um "órgão invisível", a microbiota intestinal (ou seja, os trilhões de micróbios amigáveis ​​que residem no trato gastrointestinal), que interage dinâmica e profundamente com o organismo como um todo. Na verdade, não dependem apenas a saúde do intestino e a correta absorção dos nutrientes, mas também o desempenho do nosso sistema imunológico e até o bem-estar do cérebro. Basta pensar que agora a pesquisa confirma a "mão" da microbiota tanto nas funções cognitivas quanto na gênese dos transtornos de humor e até de certas formas depressivas.

Para a parte estritamente dietética, relatamos os resultados muito interessantes de um estudo publicado nas páginas do Lancet em 2018, que investigou a ligação entre o risco de mortalidade e a ingestão de carboidratos em uma coorte de 15.428 adultos acompanhados por 25 anos. O risco de mortalidade foi mínimo naqueles que consumiram 50-55% dos carboidratos, que é exatamente a quantidade recomendada pelo LARN e presente no Dietasalute. A prevenção sempre rima com informação. Portanto, acreditamos que é essencial que o público aprenda a se familiarizar com fontes online confiáveis ​​e qualificadas, longe de notícias falsas e perigosas: o Ministério da Saúde e o Centro de Pesquisa em Alimentos e Nutrição (CRA-NUT) em nosso país, EFSA na Europa e a OMS em nível internacional são centros de referência em questões de nutrição e nutrição, a partir dos quais todos podem tirar indicações corretas validadas cientificamente.

Qual é o “futuro da nutrição”, tema ao qual se dedica um dos capítulos do livro?

O futuro da alimentação não pode deixar de considerar o impacto da produção industrial no meio ambiente, o peso dos aditivos e conservantes na nossa saúde, bem como os danos ao sistema endócrino (que regula, por exemplo, a fertilidade, a função da tiróide e a acumulação de tecido adiposo.) pelos materiais e plásticos usados ​​para a preservação de alimentos. Por último, mas não menos importante: a forma como cozinhamos os alimentos. Focamo-nos sempre na comida em si, mas no nosso livro também destacamos a importância da preparação, visto que a qualidade da comida (e a sua acção no nosso corpo) são fortemente influenciadas pelas transformações físico-químicas implementadas na cozinha. . Transformações que podem agir positivamente, mas mais frequentemente negativamente.

Acreditamos que no futuro os modelos de alimentos simples terão sucesso, favorecendo o consumo de produtos locais e frescos, sem processamento industrial. Além disso, são numerosas e sólidas as evidências de que alimentos processados ​​e ultraprocessados ​​aumentam o risco de desenvolver doenças. E, por fim, acreditamos que as taxas extras sobre alimentos com alta densidade energética (as várias taxas de açúcar e gordura), para desestimular o consumo, provavelmente serão inúteis. São imposições que não levam muito longe. Mais previdente e construtivo é intensificar a educação alimentar a partir das carteiras das escolas. Somente aprendendo desde muito cedo as bases científicas essenciais para uma alimentação saudável, é concebível construir uma sólida cultura de prevenção. Que pode fazer grandes coisas: na saúde do indivíduo, mas também na sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde.

Áudio vídeo O quê, como e quando comer? Os autores do livro Dietasalute respondem
Adicione um comentário do O quê, como e quando comer? Os autores do livro Dietasalute respondem
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.