Mielossupress√£o

generalidade

A mielossupressão é uma condição médica caracterizada por um redução da produção de células sanguíneas pela medula óssea.

Tamb√©m conhecido como mielossupress√£o ou mielotoxicidade, √© um dos mais importantes efeitos colaterais dos tratamentos de quimioterapia usado para o tratamento de tumores. Nem todos esses medicamentos induzem mielossupress√£o e a extens√£o da mesma depende - bem como do tipo de medicamento - tamb√©m das doses, dos modos de administra√ß√£o, da sa√ļde do paciente e do n√ļmero de administra√ß√Ķes previamente administradas.



Tratamentos farmacol√≥gicos imunossupressores, usados ‚Äč‚Äčem caso de doen√ßas autoimunes (por exemplo, artrite reumat√≥ide, doen√ßa de Crohn, esclerodermia, l√ļpus, etc.) ou transplantes de √≥rg√£os tamb√©m podem causar mielossupress√£o. Muito raramente, a condi√ß√£o √© um efeito colateral da terapia de longo prazo com antiinflamat√≥rios n√£o ester√≥ides ou diur√©ticos tiaz√≠dicos.

O parvov√≠rus B19 tem como alvo as c√©lulas precursoras dos gl√≥bulos vermelhos, que usa para se replicar. Freq√ľentemente assintom√°tica, a infec√ß√£o pode causar problemas de mielossupress√£o (especialmente anemia) em pessoas com medula √≥ssea ou fun√ß√£o imunol√≥gica comprometida.

A mielossupressão particularmente grave é chamada de mieloablação.


Mielossupress√£o

Consequências

Em indivíduos com mielossupressão, a medula óssea é incapaz de sintetizar quantidades adequadas de células sanguíneas.

A tabela a seguir mostra esquematicamente as fun√ß√Ķes prevalentes das c√©lulas sangu√≠neas e as consequ√™ncias de sua redu√ß√£o patol√≥gica.


C√©lula sangu√≠nea Fun√ß√Ķes principais Consequ√™ncias de uma redu√ß√£o
Eritrócitos (glóbulos vermelhos) Transporte de oxigênio no sangue Sensação de cansaço físico, falta de ar, fadiga fácil
Leuc√≥citos (gl√≥bulos brancos) Atividade imunol√≥gica (prevenir e combater infec√ß√Ķes) Aumento do risco de infec√ß√Ķes, incluindo as graves
Plaquetas (piastrina) Coagulação sanguínea Aparência de hematomas e sangramento anormal; aumento do risco de sangramento


Em geral, as consequências da mielossupressão são tanto mais graves quanto mais acentuada é a redução das células sanguíneas.



De particular preocupa√ß√£o, no campo oncol√≥gico, s√£o os n√≠veis de gl√≥bulos brancos e especialmente de granul√≥citos neutrof√≠licos; isso ocorre porque sua diminui√ß√£o excessiva torna o paciente suscet√≠vel ao desenvolvimento de uma ampla variedade de infec√ß√Ķes potencialmente fatais.

Considerando os perigos para a sobrevida do paciente, o uso de medicamentos respons√°veis ‚Äč‚Äčpela mielossupress√£o √© contra-indicado em caso de:

  • infec√ß√Ķes graves em curso;
  • comprometimento grave da fun√ß√£o da medula √≥ssea;
  • vacina√ß√£o recente com qualquer vacina viva (mesmo se atenuada).

Também deve-se ter em mente que:

  • a depress√£o da medula √≥ssea por medicamentos mielot√≥xicos geralmente est√° relacionada √† dose (aumenta com o aumento da dose do medicamento);
  • m√ļltiplas combina√ß√Ķes de drogas mielot√≥xicas podem amplificar a mielossupress√£o por efeito aditivo ou sin√©rgico;
  • a mielossupress√£o pode estar sujeita a efeitos cumulativos dos mesmos tratamentos de quimioterapia; isso significa que pode piorar ap√≥s ciclos repetidos de tratamento medicamentoso.

Mielossupress√£o para quimioterapia

Muitos quimioterápicos têm efeitos negativos nos tecidos caracterizados por uma alta taxa de renovação celular, como ocorre, por exemplo, nos folículos capilares, nas mucosas ou no sangue.

As células sanguíneas, em particular, são sintetizadas na medula óssea em um processo definido hematopoiese. Esse processo começa com as células-tronco progenitoras, que possuem a capacidade de se diferenciar nas diferentes linhas hematopoiéticas que dão origem aos glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas, respectivamente.

As drogas quimioterápicas causam danos a essas células progenitoras, ao passo que, em geral, não causam danos significativos às células sanguíneas maduras.


Uma vez que a vida m√©dia dos gl√≥bulos brancos maduros √© de 12-16 horas, a das plaquetas √© de 10-24 dias e a dos gl√≥bulos vermelhos √© de 100-130 dias, o primeiro efeito da mielossupress√£o da quimioterapia √© a defici√™ncia de gl√≥bulos brancos, enquanto a a falta de gl√≥bulos vermelhos √© a √ļltima a aparecer.



tratamento

No caso de mielossupress√£o grave, o tratamento m√©dico √© essencial para tentar restaurar os n√≠veis normais de c√©lulas sangu√≠neas. Entre outras coisas, estes √ļltimos representam um indicador importante para decidir quando o paciente pode se submeter a um novo curso de quimioterapia imunossupressora; Isso porque repetir o tratamento quando os valores sangu√≠neos ainda est√£o muito baixos representa um s√©rio perigo para a vida do paciente.


Os tratamentos da mielossupress√£o s√£o diferentes, assim como os objetivos relacionados:

  • profilaxia antibi√≥tica de amplo espectro e uso de estrat√©gias e auxiliares (lavar as m√£os, usar m√°scaras, luvas, etc.), at√© o isolamento em salas "est√©reis": esse tratamento visa prevenir infec√ß√Ķes graves do paciente neutrop√™nico;
  • administra√ß√£o de eritropoietina e an√°logos da eritropoietina: t√™m por objetivo estimular a s√≠ntese de hem√°cias, prevenindo a anemia;
  • administra√ß√£o de fatores de crescimento espec√≠ficos para certas subpopula√ß√Ķes de gl√≥bulos brancos (por exemplo, filgrastim, lenograstim ou pegfilgrastim);
  • administra√ß√£o de interleucina-11: promove a matura√ß√£o dos precursores plaquet√°rios na medula √≥ssea;
  • transfus√Ķes de sangue: as transfus√Ķes de sangue total ou de seus componentes individuais (por exemplo, plaquetas) podem ser necess√°rias para limitar as consequ√™ncias graves relacionadas √† mielossupress√£o.

Alguns desses tratamentos também podem ser realizados para fins preventivos.

O tempo que leva para atingir o nadir (ou seja, o ponto mais baixo dos valores das células sanguíneas ao longo do tempo), bem como o tempo médio para normalização dos valores sanguíneos no paciente mielossuprimido, dependem do medicamento ou da combinação de medicamentos e dosagens. De modo geral, leva de três a seis semanas em média para uma recuperação satisfatória.


O aparecimento de complica√ß√Ķes por mielossupress√£o, al√©m de colocar em risco a vida do paciente, compromete a efic√°cia do tratamento antineopl√°sico; pode de fato causar atrasos nos ciclos subsequentes ou uma redu√ß√£o na dose de quimioterapia administrada posteriormente.


Adicione um coment√°rio do Mielossupress√£o
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.