Linguagem não verbal do medo

Linguagem não verbal do medo

A linguagem não verbal do medo se manifesta, antes de tudo, em microexpressões faciais

Linguagem não verbal do medo

Última atualização: 14 de julho de 2020

Mesmo que sentir medo seja completamente normal e legítimo, há situações em que exteriorizar esse sentimento não nos ajuda. Durante uma entrevista de emprego, por exemplo, ou quando somos expostos a uma audiência ou julgamento. Felizmente, ou infeliz, existe uma linguagem não-verbal do medo que pode revelar nosso medo.



A linguagem não verbal do medo se manifesta, antes de tudo, nas microexpressões faciais. A sobrancelha levemente erguida, a testa tensa e a boca entreaberta são sinais inconfundíveis do medo de uma pessoa.

Embora não exista um dicionário para interpretar a linguagem não verbal do medo, todos nós temos um radar capaz de ler os sinais relacionados a essa emoção.. É um processo de leitura que nem sempre é racional. Simplesmente sentimos que alguém está com medo e, inconscientemente, agimos de acordo. Basicamente, sentimos desconfiança de quem não tem autoconfiança, ou somos levados a sentir uma sensação de poder ao perceber a vulnerabilidade dos outros.

É importante conhecer a linguagem corporal relacionada ao medo. Conhecendo-o, talvez pudéssemos controlá-lo melhor. As principais vantagens são duas: poder interceptar o medo dos outros, mesmo quando não expresso abertamente, e administrar nossa atitude e postura para não transmitir medo, se não quisermos comunicá-lo.

"Um medo tímido antes do perigo, um covarde durante, um bravo depois."
-Jean Paul Richter-

Linguagem não verbal do medo

Microexpressões faciais

O rosto é talvez o elemento mais “falante” na linguagem não-verbal do medo. É precisamente no rosto, de fato, que se reflete primeiro. A expressão facial pode ou não ser muito perceptível, mas é uma reação que sempre acontece. É a intensidade da emoção que determina gestos faciais mais ou menos manifestos.



Em princípio, há gestos muito simples de reconhecer. A primeira é a elevação da sobrancelha, juntamente com o enrijecimento da testa. Se o medo for posterior à surpresa, o movimento da sobrancelha será mais evidente. Se, por outro lado, for uma situação que gere medo sem surpresa, a tensão na testa ficará mais evidente.

Normalmente as pálpebras permanecem em tensão. A boca entreaberta, o lábio inferior recuado. É um pouco como se todo o rosto estivesse sofrendo de uma contração para trás. Como se houvesse algo puxando o rosto, resistindo.

postura

A postura também é um elemento muito importante na linguagem não verbal do medo. Geralmente, quando estamos com medo, nossos músculos ficam tensos e adotamos uma postura defensiva em relação aos nossos órgãos vitais. Muitas vezes cedemos ou enrolamos para ocupar menos espaço. É a tentativa involuntária de nos refugiarmos em nós mesmos para nos protegermos.

Insegurança, nervosismo e ansiedade são outras manifestações do medo. Esses são três estados que tendem a se revelar quando fazemos movimentos rápidos e compulsivos. Uma pessoa que luta para manter a calma é uma pessoa inquieta. Quando o medo que a afeta é muito forte, seus movimentos também tendem a ser bruscos ou desajeitados.

Da mesma forma, é comum uma pessoa medrosa cruzar os braços em sinal de defesa. Ao fazê-lo, tenta construir uma barreira para se proteger de danos. Uma barreira como desejo de manter a integridade, rejeitando o que é assustador.


Outros gestos

Existem outros gestos e expressões que fazem parte da linguagem não verbal do medo, como o olhar. O nervosismo torna o olhar evasivo. Quando uma pessoa está experimentando um medo particularmente intenso, ela tende a fixar o olhar naquilo que a assusta.. Um mecanismo instintivo que é ativado quando o medo é particularmente forte para não perder de vista a fonte da ameaça.


As mãos também fazem parte da linguagem corporal e são usadas para expressar emoções, mesmo em caso de medo. Quando uma pessoa está com medo, ela se contorce ou aperta as mãos. Não mostrar as extremidades é um ato instintivo de defesa, um verdadeiro legado do mundo animal.


Em princípio, quando uma pessoa está assustada, ela tende a fazer movimentos curtos, rápidos e irregulares. Quando ela está completamente aterrorizada, ela tende a fazer exatamente o oposto, paralisando-se. No primeiro caso, a pessoa não fica parada, enquanto no segundo, com o corpo contraído e virado para trás.

Adicione um comentário do Linguagem não verbal do medo
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.

End of content

No more pages to load