Facebook e psicologia: diga-me quantas vezes você atualiza seu perfil e eu direi quem você é

Quem sou
Louise Hay
@louisehay
FONTES CONSULTADAS:

wikipedia.org

Autor e referências
Facebook é uma ferramenta relativamente
jovem sobre o qual existem poucos estudos psicológicos. No entanto, um
das pesquisas mais recentes e interessantes que tentam desvendar a psicologia
do Facebook foi criado por Soraya Mehdizadeh, uma estudante da Universidade de York em Toronto. Para isso
com base na análise de um total de 100 pessoas foi possível
aprecio uma conexão curiosa entre os perfis em Facebook e traços narcisistas
de personalidade. Neste ponto, uma pequena explicação é necessária:
cada pessoa reelabora sua própria identidade dia após dia, a identidade
incorpora a concepção que a pessoa tem de si mesma (o conjunto de pensamentos e
dos sentimentos que uma pessoa tem por si mesma), mas ao mesmo tempo a identidade
é construído através de um processo social 
em que outros também trazem seus pensamentos e sentimentos
para nós. Desta forma, um processo de ocorre continuamente
adaptação entre o que é a concepção que temos de nós mesmos e que
que nutrem os outros em relação a nós. Na concepção que temos de nós mesmos
haveria duas grandes entidades: "o eu atual e o eu possível". Normalmente
na vida cotidiana as diferenças entre o que somos e o que queremos
ser não são particularmente pronunciados, enquanto que na Internet isso
diferença pode ter um tamanho muito maior, visto que as pessoas
eles podem escolher os recursos que desejam mostrar, receber um
feedback positivo sobre o mesmo e, finalmente, graças a isso, mude o
concepção que têm de si, porém, distanciando-se da realidade. Em alguns
casos podem até levar ao desenvolvimento de uma patologia conhecida como “I
interativo ". Por isso, as redes sociais são de grande interesse
para a Psicologia da Personalidade. Mas voltando ao estudo em questão, o mesmo é verdade
cheguei a uma conclusão muito interessante de que mais pessoas revisam e
eles atualizam seu perfil no Facebook e quanto maior a pontuação que obtêm
na escala do narcisismo. No entanto, existem alguns detalhes interessantes que
demonstram algumas diferenças de gênero: mulheres que desejam ter a si mesmas
anúncios tendem a optar por fotos que chamam a atenção
adornando-se de forma a realçar a aparência física enquanto os homens
eles tentam fazer o mesmo, mas se concentram mais na descrição do que
destaca sua inteligência e engenhosidade. A conexão entre narcisismo e o número de vezes que
o perfil do Facebook é revisado e atualizado pode parecer óbvio,
mas como resultado do estudo surgiu algo ainda mais curioso: as pessoas
com muito baixa auto-estima são aqueles que revisam com mais frequência
sua página do Facebook. Obviamente, neste momento, para algumas pessoas
seria difícil entender a relação entre narcisismo e baixo
auto-estima visto que no imaginário popular a
narcisismo com alto nível de autoestima. Uma explicação interessante vem
por Bossom, que afirma que o narcisismo é realmente apenas um
máscara com a qual se esconde a baixa autoestima. Desta forma, se seguirmos a teoria que inclui o
narcisismo como uma máscara, vamos descobrir que as pessoas que têm um exagero
consideração de si mesmos precisam atualizá-los constantemente
perfil para se mostrar ao mundo como se fossem os melhores, mas ao mesmo tempo
vez que sua baixa autoestima os leva a revisar constantemente o feedback
que deixam seus amigos em um processo de reestruturação contínua de
sua identidade. Portanto, devemos ter um cuidado especial, visto que
o que pode parecer uma maneira simples de se manter conectado com os amigos
e conhecidos e para descobrir novas amizades, no longo prazo pode vir a ser
uma espada de dois gumes, especialmente para aquelas pessoas que têm uma
personalidade com algumas características que são muito pronunciadas.
Adicione um comentário do Facebook e psicologia: diga-me quantas vezes você atualiza seu perfil e eu direi quem você é
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.