close
    search Buscar

    Distância psicológica: a chave para a sabedoria e o equilíbrio

    Quem sou
    Louise Hay
    @louisehay
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    "Olho que não vê coração que não dói" diz um velho provérbio. No entanto, negar as evidências e olhar para o outro lado geralmente não é a melhor estratégia, mas pode nos levar a tomar decisões erradas das quais nos arrependeremos mais tarde.

    A esse respeito, a filósofa Ayn Rand disse: “podemos fugir da realidade, mas não podemos fugir das consequências de fugir da realidade”. É por isso que, em vez de ignorar os fatos e ficar sentados esperando que a vida decida por nós, a coisa mais inteligente a fazer é aprender a estabelecer uma distância psicológica.



    O que é distância psicológica?

    Não percebemos um evento da mesma maneira quando ocorre perto de nós do que quando ocorre longe. Quando os eventos acontecem muito perto de nós, reagimos com um nível mais alto de excitação emocional porque percebemos que podemos estar diretamente envolvidos na situação. Quando acontecem à distância, ficamos mais calmos e o nível de envolvimento emocional é menor.

    Portanto, a distância psicológica é o espaço subjetivo que percebemos entre nós e as coisas, eventos ou pessoas. É uma experiência egocêntrica de separação, na qual nos tornamos o ponto de referência a partir do qual vemos as coisas em perspectiva, como se fôssemos uma terceira pessoa não envolvida na situação ou, pelo contrário, nos envolvemos de uma forma intelectual e emocional nível. A capacidade de regular a distância psicológica é muito importante na vida, conforme demonstrado por um estudo desenvolvido na Universidade de Michigan.

    Esses psicólogos descobriram que, quando nos distanciamos psicologicamente, não só temos mais probabilidade de reconhecer os limites de nosso conhecimento, mas também aceitamos a probabilidade de que o futuro mude. Na prática, a distância psicológica permite-nos ser mais humildes e autoconscientes, ao mesmo tempo que somos mais flexíveis e abertos à incerteza, características fundamentais para nos tornarmos pessoas sábias e equilibradas.



    Os dois níveis de análise psicológica da distância

    Todos os eventos podem ser localizados em uma linha imaginária em relação a nós, em um extremo colocamos tudo o que é "absolutamente distante" e no outro o que é "absolutamente próximo". Com base nisso, ativamos um nível de processamento que pode seguir dois caminhos: baixo ou alto. Ambos são ativados inconscientemente, mas os aplicamos dia após dia.

    O caminho alto

    Quando um evento está distante no tempo, no espaço, difere de nossa esfera social ou é muito improvável de acontecer, nós o processamos de uma maneira "elevada". Ou seja, trabalhamos com uma representação abstrata, simples, estruturada e descontextualizada, pois estar “distante” nos impede de acessar uma imagem mais precisa ou não nos impele a aprofundar o que está acontecendo.

    O interessante é que quando o "caminho superior" é ativado, normalmente aplicamos esse nível de processamento a todas as informações de entrada relacionadas ao evento. Ou seja, aplicamos um esquema mais impreciso e geral a tudo o que, de uma forma ou de outra, está relacionado com a situação que percebemos como distante.

    Estudos que analisam as decisões das pessoas em relação à poupança para a aposentadoria sugerem que, embora as pessoas saibam que devem economizar mais para o futuro, gastam muito e economizam pouco. Isso se deve ao fato de que a aposentadoria se processa na trajetória "alta", pois é percebida como algo muito distante. E tudo relacionado a este problema é processado da mesma maneira, então não achamos que seja necessário tomar medidas concretas aqui e agora, mas apenas adiamos. Este é um dos efeitos da distância psicológica.


    O caminho baixo

    Se os eventos estão mais próximos no espaço e no tempo, nos sentimos identificados com eles ou têm probabilidade de ocorrer, ativaremos o caminho "inferior". Isso significa que vamos construir representações tão concretas quanto possível, complexas, desconstruídas e descontextualizadas. Isso é exatamente o que fazemos com todas as informações importantes de nossa vida.


    Quando algo é relevante, geralmente é um fato muito concreto, então se estende a muitas áreas de nossa vida e geralmente acabamos com uma ideia bastante complexa, mas desorganizada do que está acontecendo, porque estamos explorando diferentes opções para tentar e encontre uma explicação satisfatória.

    Se um relacionamento der errado, ficaremos tão emocionalmente envolvidos no que acontecerá que iremos processá-lo de acordo com o caminho "inferior". Portanto, será difícil para nós tomar o necessário distanciamento psicológico e refletir objetivamente sobre a situação que estamos vivenciando. Todos os eventos relacionados a este relacionamento vão aglomerar nossas mentes gerando caos e confusão, mas não seremos capazes de avaliá-los corretamente porque as emoções nos impedem de fazê-lo.

    Como ajustar os diferentes níveis de distância psicológica?

    A distância psicológica se manifesta em diferentes níveis, cada um com um efeito concreto em nosso comportamento e emoções, fenômeno estudado pela Teoria dos Níveis Construais. Esses níveis podem ser ajustados para assumir uma atitude mais objetiva, analisar nossos vieses cognitivos e o nível de envolvimento emocional na situação. Na maioria dos casos é necessário aumentar a distância psicológica, mas outras vezes é necessário reduzi-la para se ter uma análise mais concreta e sensível do problema.

    - Distância social. A distância social é o que existe entre nós e os outros e é encurtado quando conseguimos nos colocar no lugar do outro e ter empatia. Ao contrário, se estende quando usamos uma linguagem mais abstrata e despersonalizada, ou quando não nos mostramos receptivos ao seu discurso e não validamos suas emoções.


    - Distância de tempo. A distância temporal é medida em termos de passado, presente e futuro. Ficou demonstrado que, quando estabelecemos prazos mais curtos, somos mais produtivos, menos estressados ​​e alcançamos melhores resultados. A estratégia psicológica para administrar corretamente a distância temporal é visualizar o futuro. Por exemplo, se você está ansioso com um projeto que precisa realizar, imagine que já o concluiu. Focar nos resultados imediatos o ajudará a relaxar e obter melhores resultados.


    - Distância espacial. A distância espacial é uma das mais fáceis de manipular. Por exemplo, foi mostrado que quando você afasta um objeto de você, seu interesse nele diminui, mas se você se aproxima, seu interesse aumenta. É um truque de dieta especialmente legal, mas colocar distância entre você e a pessoa com quem está discutindo também permitirá que você se afaste um pouco do problema.

    - Distância experiencial. A distância experiencial é medida pela lacuna entre o que imaginamos e esperamos e o que finalmente experimentamos. Quanto maior for essa lacuna, maior será a frustração e a raiva. Pelo contrário, quanto menor for, maior será a nossa satisfação. A melhor maneira de manipular essa distância é limitar nossas expectativas. Estar disposto a viver experiências sem ter expectativas é a melhor maneira de tirar o máximo proveito da distância experiencial.

    Cada vez que você ajusta um nível, você reduz ou aumenta a distância psicológica, para que possa se envolver mais na situação ou, ao contrário, ter um ponto de vista mais objetivo. Dependendo da situação e das estratégias de enfrentamento, você pode jogar com as diferentes distâncias para tomar as melhores decisões a qualquer momento.

    Adicione um comentário a partir de Distância psicológica: a chave para a sabedoria e o equilíbrio
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.