close
    search Buscar

    Criticando construtivamente, seis regras

    Quem sou
    Louise Hay
    @louisehay
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Coment√°rios sobre o item:

    aviso de conte√ļdo

    Criticar
    é fácil, a crítica construtiva é uma arte. Às vezes parece que a crítica é inserido diretamente
    em nosso DNA, evitar criticar os outros sempre acaba sendo muito para nós
    duro. Na verdade, eu o desafio a passar um dia inteiro sem criticar nada e
    ninguém. Certamente depois de algumas horas você se pegará criticando algo também
    alguém.

    No entanto,
    a crítica não precisa necessariamente ser negativa, mas também pode se tornar uma
    ponto de apoio para o crescimento; neste caso, refiro-me à crítica
    construtivo. O alvo
    essencial da crítica construtiva é estimular a mudança
    favorável que beneficie o outro (e esta é a ideia que sempre teremos que
    tenha em mente quando vamos criticar). Muitas vezes cometemos o erro
    analisar apenas o nosso ponto de vista, sem levar em consideração o
    necessidades ou propósitos de outros. Por isso, antes de criticar, é
    é preciso abrir nossas mentes e nos perguntar se nossa crítica pode
    realmente trazer algo positivo para o outro. PARA
    neste ponto você pode entender que fazer críticas construtivas que ajudem o outro a
    crescer não é uma tarefa fácil; no entanto, existem algumas regras que podem
    ajuda: 1. Seja autocrítico:
    Estamos criticando um erro que tendemos a cometer? Nós sugerimos um
    uma pessoa que é mais flexível quando nós não somos? Normalmente o
    a crítica é aceita com prazer quando vem de uma pessoa madura e confiável.
    Isso significa que a técnica: “você faz
    o que eu digo, mas n√£o o que fa√ßo ‚ÄĚn√£o se aplica √† cr√≠tica
    construtivo. 2. Personalize:
    quanto mais personalizada for a crítica, mais provável será
    efeito. Falar de uma maneira geral não adianta, é melhor determinar
    detalhar o objetivo e fazê-lo perceber de forma concisa e personalizada
    no caso que enfrentamos. 3. Critique os resultados e
    comportamento
    e n√£o
    pessoas
    : o fato de alguém ter feito algo errado não significa
    que ele é incompetente. O fato de que ele se comportou de uma maneira rígida de
    enfrentar uma situação não significa que ele seja uma pessoa má. No fim,
    quando criticamos, devemos ter cuidado com as palavras usadas. Uma crítica
    construtivo n√£o pretende fazer o outro se sentir mal, mas sim
    para ajud√°-lo, enfim, n√£o o criticamos como pessoa, mas enfatizamos
    erros em seus resultados ou comportamento. 4. Use o tom apropriado: o alvo
    da crítica construtiva não é ganhar o outro, mas sim
    convencê-lo dos problemas ou erros que está cometendo. Finalmente, o tom de
    quem sabe tudo e se mostra autoritário, não é o mais adequado. Nós tentamos
    assumir a atitude do amigo ou companheiro que deseja sugerir um
    mudança. 5. Procure o momento certo: Em
    certas ocasi√Ķes, especialmente em lugares p√ļblicos ou quando a pessoa √© muito
    emocionalmente comprometido, é melhor adiar as críticas para outro momento. Auto
    nós realmente queremos que a outra pessoa mude, teremos que esperar que ela se encontre
    em uma condição emocional adequada que lhe permite ouvir o nosso
    Conselho. 6. Ofere√ßa sugest√Ķes e suporte: a
    Às vezes, por mais construtiva que seja a crítica, nós a lançamos como se
    era uma batata quente. Ou seja, apontamos o que n√£o est√° funcionando, mas sem sugerir
    uma solu√ß√£o poss√≠vel. Isso causa desconforto e ang√ļstia na pessoa que
    ela é criticada por se sentir perdida e abandonada. Por isso, antes
    para criticar, seria melhor pensar sobre quais seriam as op√ß√Ķes poss√≠veis para
    mude o que est√° errado. Se n√£o temos solu√ß√Ķes dispon√≠veis para oferecer,
    então é aconselhável pelo menos oferecer nosso suporte para encontrar um juntos
    solução.
    Adicione um coment√°rio do Criticando construtivamente, seis regras
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.