Carta à ansiedade: onde estamos?

Carta à ansiedade: onde estamos?

Querida ansiedade, eu honestamente não gosto de você. Mas entendo que, à sua maneira, queira me ajudar. Mudamos muito desde nosso primeiro encontro dramático, e preciso lhe dar um novo lugar.

Carta à ansiedade: onde estamos?

Última atualização: 07 de outubro de 2020

Com uma carta √† ansiedade, tentamos descobrir onde est√° nossa rela√ß√£o com esse sintoma. Mudamos muito, chegou a hora de redefinir a ansiedade e coloc√°-la em uma nova dimens√£o que nos fa√ßa sentir mais confort√°veis ‚Äč‚Äče mais honestos.



Nossa relação com a ansiedade sempre foi complicada, às vezes tortuosa. Às vezes nos dava aquele empurrão que faltava. Nós escrevemos uma carta para a ansiedade para entender o quanto ainda nos dói e, sobretudo, reformular perguntas que ainda não foram respondidas.

Carta à ansiedade

As cartas geralmente come√ßam com "querido" ou "meu amigo", mas esta √© uma carta para a ansiedade. √Č dif√≠cil encarar a ansiedade como uma amiga ou mesmo am√°-la. Conforme repetimos v√°rias vezes, o amor n√£o precisa doer. Neste caso a ansiedade tem uma l√Ęmina muito afiada, capaz de penetrar profundamente.

Ent√£o podemos tentar com "querido companheiro". Companheira porque a encontramos prontamente ao nosso lado, excelente porque n√£o h√° d√ļvida de que sua presen√ßa √© no m√≠nimo particular e significativa entre as experi√™ncias de vida poss√≠veis.

Caro camarada, estou lhe escrevendo esta carta para entender como se posicionar neste momento, o quanto você ainda pode me machucar e qual caminho você percorreu comigo. Mudamos, muito, e precisamos rever nossos espaços.

Um primeiro encontro tr√°gico

Em uma carta √† ansiedade √© dif√≠cil n√£o se referir ao primeiro encontro. Um encontro que tem algo em comum com os amores rom√Ęnticos do cinema: deixou uma marca indel√©vel na mem√≥ria. A primeira vez que estivemos em sua companhia foi uma experi√™ncia repentina e inesperada.



Sem aviso, sacudiu cruelmente nosso corpo. A sensação de afogamento, a náusea, o coração batendo rápido para escapar de uma morte que de repente parece iminente. Ele penetrou em nosso prazer de comer, em nosso sono, trazendo dores por todo o corpo. Dizer que perdemos o controle sobre nós mesmos é pouco para descrever essa experiência.

Depois de um período que parecia interminável, alguém lhe deu um nome. Não era o coração, não era a doença mortal que temíamos ter. Era ela, a destinatária desta carta. E as perguntas sem resposta e a dor começaram. "Por que agora, se eu estava bem?" "Como a ansiedade pode fazer isso comigo?" Ou "O que posso fazer para me livrar dela?"

Eu parei de te odiar quando percebi quem você era

Enquanto tentamos escrever esta carta, a memória de quanto odiávamos a ansiedade volta forte, enquanto tentamos chutá-la para longe, gritando mil vezes "o que você quer de mim?". Certamente não faltam motivos para odiá-lo: sofrimento, cansaço, solidão.

Não é difícil nutrir esse sentimento quando pensamos que ele nos distanciou das pessoas que mais amávamos, com o voto implícito de silêncio que nos proíbe de pronunciar seu nome.

O ódio, no entanto, não é uma emoção que podemos manter por muito tempo. Sua intensidade enfraquece e já estávamos exaustos. Isso mesmo, consumido por tanta raiva. E então começamos a aceitar, com os dentes cerrados, que ela ficaria conosco indefinidamente. Decidimos ouvir e nos fazer essas mesmas perguntas sem resposta, com toda a paciência que pudemos reunir.

E a ansiedade, para responder como um eco: "Tem certeza de que estava tudo bem?", "Por que agora?". Esse eco nos revelou algo, finalmente entendemos: estava l√° para amplificar nossa voz abafada.



Uma voz interrompida muitas vezes que decidiu ser ouvida de uma vez por todas, independentemente dos modos gentis. Ainda hoje perguntamos a ela com ressentimento: "mas tudo isso era realmente necessário, só para fazer você ouvir?".

Meu amigo, ouça...

Mesmo que ainda não possamos chamar esse parceiro de vida dramático de "amigo", certamente ganhamos um aliado em nossa difícil jornada. Esse amigo inestimável é chamado de escuta e é versátil. Às vezes ele nos pede para esticar os ouvidos para fora, outras vezes para dentro de nós.


Ouvir, sim, é um verdadeiro amigo. Daquelas que fazem você notar as coisas bonitas, que no momento deixamos de apreciar e as outras em que estamos bagunçando tudo e precisamos sacudir. Temos que respeitar essa amizade, gostemos ou não.

Concluímos esta carta descrevendo nossa percepção atual de ansiedade; um dos motivos que nos levou a escrever. Agora queremos falar diretamente com a ansiedade.

Querida ansiedade, eu honestamente não gosto de você. Mas entendo perfeitamente por que você existe e que veio me ajudar com seus modos bruscos. Eu sei que quando me alio à escuta, você vem me visitar menos. Mas não importa, se você voltar, vou tentar não ficar com muita raiva, não te afugentar antes de entender por que você veio bater na minha porta. Mas você entende que é difícil. Não te prometo nada.

Escreva uma carta para a ansiedade

Escrever uma carta para a ansiedade significa engajar-se em um diálogo interior com ela, abrem novos caminhos para uma maior consciência. Sintomas, como ansiedade, são tipicamente a ponta do iceberg submersa na escuridão do inconsciente.


A psicoterapia narrativa, com técnicas como escrever uma carta, pode facilitar o processo de transformação de sentimentos em palavras. Convidamos você a escrever sua carta de ansiedade, tentando defina a relação que você tem atualmente com este sintoma. Qual abertura teria?

Adicione um comentário do Carta à ansiedade: onde estamos?
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.

End of content

No more pages to load