Aumentar a autoconfiança

Aumentar a autoconfiança

Quando não confiamos em nós mesmos, nos sabotamos e nos impedimos de alcançar o sucesso que merecemos. Se você quer saber como aumentar sua confiança, este artigo é para você.

Aumentar a autoconfiança

Última atualização: 24 março 2022

Existem milhões de pessoas no mundo com imenso potencial, mas não conseguem ser felizes e bem-sucedidas. Todos nós conhecemos alguém que, sendo inteligente, bom e cheio de virtudes, sabotou suas oportunidades por medo. Aumentar a autoconfiança permite que você viva como deseja.



Como disse Henry Ford: "Quer você pense que vai conseguir ou não, ainda assim estará certo." As crenças que temos sobre nós mesmos podem nos levantar ou afundar.

Por isso, é fundamental tomar consciência da auto-sabotagem e trabalhar a nossa auto-estima para deixarmos de ser os nossos juízes mais críticos e passarmos a ser os nossos maiores admiradores.

Como aumentar a autoconfiança?

Estamos cansados ​​de ouvir frases banais que nos convidam a amar e aceitar a nós mesmos, a lutar por nossos sonhos e acreditar em nós mesmos, sem que nunca nos digam como fazê-lo.

Como vou me amar da noite para o dia depois de anos odiando minhas falhas? Como fazer se no fundo não me sinto uma boa pessoa?

Bem, não existe uma bala mágica que possa aumentar a auto-estima em um segundo. Somente nós possuímos ochave para abrir essa porta e para obtê-la temos que iniciar várias mudanças.

No entanto, com motivação e perseverança podemos aumentar nossa autoconfiança e veremos como nossa vida mudará radicalmente. Aqui estão algumas diretrizes para fazer isso.

Mude o diálogo interno

Através de nossos pensamentos, enviamos mensagens para nós mesmos. Reclamamos ou nos parabenizamos, nos julgamos, comentamos nossas ações.



Esse diálogo interno é muitas vezes automático e não percebemos a quantidade de comunicação negativa que enviamos uns aos outros ao longo do dia.

Se queremos aumentar nossa auto-estima, precisamos mudar a maneira como falamos com nós mesmos. Ser perdoador, compreensivo e amoroso com nós mesmos.

Vamos começar a nos lembrar do que sabemos bem e focar nos erros como uma oportunidade de crescimento. Se nos punirmos constantemente, será impossível acreditarmos em nós mesmos.

Pense em uma criança cujos pais continuamente apontam suas falhas e dão-lhe rótulos negativos. O pequeno crescerá sentindo-se inseguro e sem valor.

Por outro lado, se eles reforçam seus sucessos, o apoiam e o orientam em seus fracassos, a criança se sentirá segura e amada. Da mesma forma, acontece com nossos pensamentos.

Podemos fazer uma lista de declarações e repeti-las na frente do espelho todos os dias. Captamos neles o que queremos alcançar, na primeira pessoa e no presente.

Por exemplo: sou uma pessoa confiante, confio nas minhas capacidades e vivo sem medo. O cérebro acredita no que dizemos, repetir essas frases todos os dias nos ajudará a reforçar nossos novos pensamentos sobre nós mesmos.

Aja de acordo

Uma das ferramentas mais eficazes para iniciar a mudança é começar a agir como se o que queremos já fosse uma realidade. Começar a se comportar como uma pessoa com alta auto-estima e confiança seria:

  • Ande ereto e observe em frente ao caminhar pela rua.
  • Aceitar os desafios e enfrentá-los como se tivéssemos plena confiança em nossas habilidades. Se ficarmos presos na insegurança, nunca nos daremos a oportunidade de desenvolver nosso potencial. Por outro lado, descobriremos que somos muito mais capazes do que pensamos e nossa auto-estima aumentará.
  • Estabelecendo limites mesmo que tenhamos medo. Podemos ter medo da rejeição se dissermos não aos pedidos de outras pessoas ou se expressarmos nossa opinião. Vamos fazer assim mesmo e repetir para nós mesmos que não importa se o outro fica com raiva, é nosso direito cuidarmos de nós mesmos.

Reinterprete os medos para aumentar a autoconfiança

Medo e excitação são causados ​​pela mesma substância: adrenalina; e embora psicologicamente as duas emoções sejam experimentadas de forma diferente, ambas têm uma semelhança biológica.



Isso significa que teoricamente é É possível reavaliar nossas respostas ansiosas e transformá-las em entusiasmo. Isso foi confirmado por um estudo publicado no Journal Experimental Psychology, no qual a Dra. Alison Brooks submeteu cada membro de três grupos a uma atividade que geralmente gera ansiedade (uma apresentação individual enquanto um júri os avalia).


No entanto, antes da atividade, cada participante recebeu uma instrução diferente. Os membros do primeiro grupo não foram informados de nada; o segundo e terceiro grupos foram solicitados a repetir em voz alta "estou calmo" e "estou animado", respectivamente.

Os resultados mostram que os membros do terceiro grupo, ou seja, aqueles que tentaram interpretando seus nervos como excitação em vez de medo, eles tiveram um desempenho significativamente melhor na tarefa.

Nesse sentido, pode-se dizer que as pessoas podem reavaliar a ansiedade como entusiasmo, usando estratégias mínimas como o diálogo interno (por exemplo, dizendo “estou animado” em voz alta) ou mensagens simples.


Em outras palavras, a adoção de uma perspectiva de oportunidade, em vez de ameaça, pode fazer a diferença nas apresentações subsequentes.

Aumentar nossa autoconfiança depende de nós

É preciso ser constante e perseverante nas ações apresentadas. Todas as mudanças levam tempo e precisaremos de um período de ajuste até que essas ações se tornem naturais para nós.

A segurança é construída gradualmente. Vamos conversar com nós mesmos de forma positiva e construtiva, nos permitir as oportunidades que precisamos para desenvolver nosso potencial, e nos colocar sempre no topo da nossa lista de prioridades.

Adicione um comentário do Aumentar a autoconfiança
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.

End of content

No more pages to load