close
    search Buscar

    Ataques de pânico avisam primeiro

    Quem sou
    Robert Maurer
    @robertmaurer
    FONTES CONSULTADAS:

    wikipedia.org

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo

    Por muitos anos, pensou-se que as crises de ansiedade, mais conhecidas na psicologia como ataques de pânico, chegam sem aviso. Portanto, a pessoa estaria completamente à sua mercê até que os sintomas diminuíssem de intensidade.

    Mas agora um estudo da Southern Methodist University em Dallas descobriu que as crises de ansiedade na verdade dão alguns sinais de alerta que antecipam seu aparecimento. Esses pesquisadores acompanharam constantemente algumas pessoas que frequentemente sofriam de crises de ansiedade e descobriram que durante os primeiros 60 minutos anteriores ao episódio, alguns sinais fisiológicos apareceram.



    Essencialmente, os participantes do estudo tinham que carregar um dispositivo portátil que armazenava dados relacionados à respiração, frequência cardíaca e outros dados por meio de uma série de sensores aplicados em seus corpos. Depois de analisar os dados para um total de 1960 horas, a instabilidade mencionada acima foi detectada. No entanto, o que é interessante é que essas mudanças não foram percebidas pelas pessoas que relataram que os ataques de pânico os haviam surpreendido sem avisar.

    Os pesquisadores também observaram que tanto antes quanto durante a convulsão, as alterações fisiológicas ocorridas não representavam nenhum perigo para a pessoa. Na verdade, parece que o ataque de pânico equivale a ter uma válvula de alívio em uma panela de pressão, com a tarefa de expressar todas as pequenas mudanças fisiológicas que se acumularam durante a hora anterior.

    De acordo com os dados coletados pelos pesquisadores, cada uma das mudanças que as pessoas vivenciaram durante a crise de ansiedade não atingiu níveis alarmantes, o problema é que estas, quando vistas como um conjunto de sintomas, geram medo e ansiedade. O único indicador que relatou variações bastante anômalas estava relacionado aos níveis de CO2 (que eram muito mais baixos), indicando que as pessoas estavam hiperventilando.



    Obviamente, essa pesquisa poderia estimular uma mudança radical no tratamento dos ataques de pânico, que seria direcionada não apenas para conter o efeito dos sintomas, mas também nos permitiria aprender a detectá-los e controlá-los antes que a crise ocorresse.



    Adicione um comentário do Ataques de pânico avisam primeiro
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.