A semana tem 7 dias, "um dia" não é um deles

Quem sou
Louise Hay
@louisehay
FONTES CONSULTADAS:

wikipedia.org

Autor e referências

Se você tem tendência a procrastinar dizendo “algum dia eu farei”, você precisa saber que “algum dia” não faz parte dos 7 dias da semana. O hábito de procrastinar indefinidamente - ou até que você não tenha escolha a não ser lidar com a situação - não é bom e vai acabar batendo em você, porque problemas não resolvidos tendem a crescer na área a que os relegamos.

O peso dos problemas não resolvidos

Freqüentemente, nos angustiamos mais pensar nas coisas que temos pendentes do que enfrentá-las. Adiar tarefas e decisões não fará com que desapareçam de nossa mente, pelo contrário, se tornarão um fardo adicional. Sempre que adiamos algo, nosso subconsciente toma nota, uma espécie de alerta que permanece ativo como um alarme.



Se desenvolvermos o hábito de adiar tudo com que não queremos lidar, nossa mente acabará se enchendo de notas mentais. Esses lembretes constantes se tornarão uma fonte de tensão, mau humor e confusão mental. Conseqüentemente, o peso do problema que adiamos se somará ao peso do lembrete constante, bem como à incerteza de não saber como tudo vai acabar.

Quando temos que lidar com muitas notas mentais, corremos o risco de sofrer um bloqueio mental. A perspectiva de todos os problemas que temos que resolver é simplesmente avassaladora. E nosso equilíbrio mental cede sob seu peso. Em muitos casos, esse desgaste resulta em sintomas psicofísicos, desde uma cefaléia do tipo tensional recorrente até exaustão constante ou problemas de pele.

Se procrastinar é tão ruim, por que fazemos isso?

Os biopsicólogos da Ruhr-Universität Bochum têm a resposta. Eles examinaram os cérebros de 264 pessoas para entender por que alguns têm a tendência de procrastinar em vez de enfrentar os problemas diretamente. Eles descobriram que as pessoas com pouco controle tinham uma amígdala maior. Além disso, a conexão funcional entre a amígdala e o denominado córtex cingulado dorsal anterior era mais fraca. O que isso significa?



A amígdala é uma espécie de epicentro emocional que ativa a resposta de luta ou fuga. Ao se deparar com uma situação, seja ela qual for, a amígdala traz à tona experiências semelhantes do passado para determinar se aquele estímulo é perigoso ou não. Também nos avisa sobre as possíveis consequências emocionais negativas de nossas ações. Ou seja, nos faz decidir em segundos se aquela situação é perigosa e, portanto, algo que devemos evitar.

A amígdala também escolhe entre uma variedade de comportamentos, priorizando alguns e inibindo outros. Isso significa que as pessoas com uma amígdala maior aprenderam com seus erros do passado e valorizam suas ações e consequências futuras de forma mais meticulosa. No entanto, o que pode parecer positivo também tem um lado negativo.

O córtex cingulado dorsal anterior usa as informações fornecidas pela amígdala para escolher as ações que precisamos realizar. Se a interação entre a amígdala e o córtex cingulado dorsal anterior for mais fraca, a amígdala realizará seu trabalho de análise emocional, mas não seremos capazes de implementar com sucesso as ações correspondentes. Na verdade, os pesquisadores descobriram que as pessoas com uma amígdala maior se sentem mais ansiosas com as consequências negativas de uma ação, por isso tendem a duvidar e procrastinar.

Não estamos "condenados" a procrastinar

Esta conexão "defeituosa" entre a amígdala e o córtex cingulado dorsal anterior formou-se ao longo dos anos, é o resultado de comportamentos anteriores nos quais decidimos que era melhor adiar a solução do problema.

A boa notícia é que podemos corrigi-lo porque nosso cérebro tem uma neuroplasticidade extraordinária, o que significa que podemos mudar as conexões funcionais. Neurocientistas da Universidade de Pittsburgh, por exemplo, mostraram que apenas 8 semanas de meditação transcendental são suficientes para reduzir o volume da amígdala, de forma que ela seja menos reativa e deixe de ver tudo como uma ameaça, enquanto aumenta o volume da amígdala. córtex pré-frontal, que é aquele que nos ajuda a tomar decisões racionais, melhorando a conexão entre os dois.



Portanto, da próxima vez que você pensar em adiar essa atividade para “um dia” que nunca chegará, tente descobrir por que você adiou e estabeleça um plano de ação para corrigir essa tendência.

Fontes:

Schlüter, C. et. Al. (2018) The Structural and Functional Signature of Action Control. Ciências psicológicas; 1-11.


Taren, AA et. Al. (2015) O treinamento de meditação mindfulness altera a conectividade funcional do estado de repouso da amígdala relacionada ao estresse: um ensaio clínico randomizadoSoc Cogn Affect Neurosci; 10 (12): 1758–1768.

  • 48
Adicione um comentário do A semana tem 7 dias, "um dia" não é um deles
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.